Falsa reclamação, invalidação e auto-diagnóstico

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Saoirse tenta ser grande e dura na vida real, mas a verdade é que, por detrás de tudo isso, está uma pessoa incrivelmente doce e gentil que pode ser aproveitada.

Esforço-me por ser meiga e simpática, mas a verdade é que fico furiosa quando as pessoas magoam as minhas pessoas. Por isso, está na altura de esclarecer e estabelecer a lei, porque ainda há merdas a acontecer. As mensagens privadas do T-E-C no Discord ainda estão a arder, e várias pessoas querem discutir o assunto. A Saoirse quer ouvir toda a gente, ter em conta os seus pontos de vista e desanuviar as penas.

Vou agitar algumas penas.

Temos uma regra contra as declarações falsas. Não é negociável. Não pode ser discutida. Se não gostas, vai-te embora. Mas a regra precisa de ser alargada e explicada.

Ninguém aqui é psicólogo ou psiquiatra que possa diagnosticar problemas de saúde mental. Ninguém aqui pode dizer definitivamente que alguém tem ou não têm uma doença. É tão simples quanto isso. Não há excepções. Não há debate aqui. Já está decidido.

Isso não significa que vamos abrir os braços e dizer a toda a gente que aparece: "Oh sim, tu tens mesmo DID, querida". Também não podemos fazer isso. Não podemos confirmar nem negar. Não somos profissionais médicos que podem diagnosticar. Ponto final.

Tem medo que as pessoas falem mal da sua doença? Compreendo isso. Em vez de criticar os outros, faça algo positivo e fale sobre as SUAS próprias experiências e fique por aí. Se tem mesmo de dizer que "X tem condição blá, não condição má" pode fazê-lo - noutro lugar. Nós não fazemos diagnósticos aqui.

Por muito que a Saoirse gostasse que assim fosse, o café não vai ser para toda a gente e não nos vamos juntar sempre para um kumbaya. Estamos aqui para nos apoiarmos e aprendermos uns com os outros, não para nos invalidarmos uns aos outros.

É um jogo de semântica saber se alguém esteve de facto envolvido em declarações falsas no recente Drama - algumas pessoas diriam que sim, outras diriam que não. É verdade que ninguém disse diretamente "X está a fingir!" e foi por isso que acrescentei "invalidar" ao título deste artigo. Há uma linha ténue entre "X está a fingir" e "X não tem a doença blá", e não vou discutir onde se situa exatamente essa linha. Não lhe querem chamar falsificação? Tudo bem. Continua a não ser fixe.

Não estou a dizer que não devemos permitir a discussão de diagnósticos diferenciais. Mas isso tem de ser feito com cuidado, com tato e sem diagnosticar alguém. Não é um médico. Isto aplica-se a mais do que as perturbações dissociativas. Não fazemos diagnósticos aqui, ponto final.

Dizer: "Isso pode ser COVID, já foste ao médico?" não é fazer um diagnóstico. Encaminhar as pessoas para profissionais de saúde é SEMPRE a resposta correcta para os problemas de saúde. Sim, alguns profissionais de saúde não prestam e encorajamos segundas opiniões, mas, no fim de contas, eles podem diagnosticar e tratar; nós não.

Podemos ouvir-nos uns aos outros. Podemos oferecer apoio. Podemos partilhar as nossas próprias histórias para que as pessoas não se sintam tão sozinhas. Podemos não pode dizer-vos se têm uma perturbação dissociativa. Podemos dizer-lhe como é para nós, e você e os seus médicos podem decidir se isso se aplica a si.

Gostaria também de abordar a questão do autodiagnóstico, começando por citar as regras existentes:

Respeitar o facto de nem toda a gente ter os meios para obter um diagnóstico formal. Recomendamos vivamente que se consulte um bom profissional de saúde mental sempre que possível, mas por vezes, devido à localização, finanças ou outros factores, isso não pode ser feito no momento. Se alguém luta contra a dissociação ou é um aliado daqueles que o fazem, o seu lugar é aqui, com ou sem diagnóstico.

Regras do café

É perfeitamente normal vir aqui e dizer: "Acho que tenho DID" e partilhar as suas experiências. Podemos até concordar consigo, MAS nenhum de nós pode dar-lhe um diagnóstico médico, incluindo você próprio. Poderá estar correto? Sem dúvida. Basta ser claro sobre o seu estado nesta viagem. Não precisa de acrescentar uma declaração de exoneração de responsabilidade a cada parágrafo; apenas não diga que tem um diagnóstico profissional se não o tiver. Seja como for, é bem-vindo aquinão estamos a verificar os documentos das pessoas. (Nem sequer sabemos onde estão os nossos papéis; não os emoldurámos exatamente. Na verdade, a Janet provavelmente livrou-se deles numa das suas purgas "NÃO TENHO DID").

A Saoirse não pode ter este site como tudo para toda a gente. Não há problema em ser-se espigado e áspero. Acho que o plano é mesmo ter um fórum/canal dedicado para as pessoas picantes serem picantes. Só não é correto diagnosticar as pessoas, especialmente para dizer que não têm uma doença quando estão a procurar ajuda profissional para determinar se têm. Não é um profissional de saúde, não pode tomar essa decisão.

De um modo geral, gostamos de estar bastante concentrados na liberdade de expressão. São permitidos tópicos que desencadeiam a discussão em muitos sítios. Não esperamos sempre que toda a gente em todos os sistemas se comporte da melhor maneira. As pessoas cometem erros. Acreditamos numa segunda oportunidade, ou mesmo numa terceira. Mas a linha tem de ser traçada algures.

É isto. Linha traçada. Não fazemos diagnósticos, nem positivos nem negativos. Se não consegues aceitar isso, por favor, vai-te embora. A Saoirse vai ficar destroçada, mas a comunidade e o T-E-C não aguentam mais esta treta. Isto acaba agora.

1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
saoirse.t-e-c
Administrador
26 dias atrás

Só quero ter a certeza de que o facto de não ter um diagnóstico *ainda* não significa que não possa ser válido. Todos os sistemas de DID estiveram sem diagnóstico numa determinada altura.

Última edição 20 dias atrás por saoirse.t-e-c
Saltar para o conteúdo