Ex e Porquês - TW: ex abusivos, baixa autoestima, SH

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Uma nota da Desi para quem ler isto: é longo. É traumatizante. Há aqui muitos gatilhos, por isso, por favor, não leiam se acharem que não conseguem lidar com isso. A Jess escreveu isto para registar no diário alguns dos seus traumas passados e para trabalhar outros sentimentos de problemas de autoestima e ódio a si própria. Não se trata de um post de pena ou de atenção. É simplesmente uma forma de a Jess traduzir alguns dos seus horrores passados para fora da sua mente e purgá-los. Agradecemos a todos os que possam ler e simpatizar, e teremos todo o gosto em discutir com outros. No entanto, não escrevemos estas palavras para nada mais do que uma forma de esquecer o passado e curarmo-nos. Agradecemos desde já.

 

 

Fala a Jess. Hoje, apetece-me falar sobre os meus ex. A anfitriã original, a Maria, já não está cá, mas eu tenho todas as suas memórias, e tudo isto é muito pessoal (claro que também inclui um sentimento de síndrome de impostor, mas meh). Mas ela foi-se embora mais ou menos em 2013 e, depois disso, eu era o anfitrião.

Primeiro, houve uma série de namorados do liceu. Eram todos mais ou menos maus, mas de uma forma que era um amor infantil, tipo amor de cachorrinho. I pensamento Eu sabia o que era o amor, e eu pensamento Eu conhecia o desgosto, mas não, estava a enganar-me a mim própria antes do tipo adulto de amor e perda. Às vezes, gostava que todos os meus desgostos pudessem ter continuado a ser uma variedade segura e tola, como nos tempos do namorado do liceu.

Depois temos a faculdade, o meu primeiro namorado universitário, a minha primeira relação adulta a sério. (Os nomes serão omitidos, usarei apenas as iniciais para manter alguma coerência). O Z era tão fixe. E querido. E engraçado. Fizemos sexo ao ar livre, no relvado em frente ao meu quarto. O Z era excitante. Z era um mulherengo e não se importava com quem o soubesse. Eu tinha o corpo mais bonito de toda a minha vida na faculdade, mas ainda me sentia insuficiente num tamanho 12 comparado com o tamanho 4 A, ou o tamanho 2 C, ou a Barbie modelo da claque, ou a sósia da atriz Scarlett Johansen... Dei um murro numa parede de tijolo depois de ter apanhado o Z a namoriscar com algumas raparigas. Ainda hoje não sei se parti alguma coisa, porque pobreza yay, mas ficou com nódoas negras, inchou e não o pude usar durante semanas. O pior de tudo é que, quando o Z me deixou, ele passou a andar com uma rapariga que era muito parecida comigo, mas do tamanho 20/22. Os meus ciúmes e a minha raiva não eram mais do que paranoia cega e estupidez, o tipo claramente não se importava com a aparência.

Depois da faculdade (só tinha um semestre, não podia pagar depois disso e a dívida do empréstimo de estudante só por causa disso deixou-me paralisada de medo), conheci um tipo online. O E era encantador. Não era classicamente bonito, mas era alto, engraçado e pagou um bilhete de autocarro para eu ir ter com ele. A minha vida inteira tinha-se desmoronado à minha volta, por isso eu estava a funcionar apenas com mania, solidão, rejeição e Red Bull. Quando lá cheguei, ele apresentou-me ao seu outros namorada e senti um disco a saltar no meu cérebro. Já tinha gostado de raparigas antes e, para ser sincero, a primeira rapariga que beijei no liceu foi seguida de perto pela segunda, a namorada dela, por isso, sim, já tinha estado numa situação como esta. Mas não a longo prazo. E não sabia se o conseguiria fazer sem ciúmes. Mas eu estava lá, e tinha duas semanas antes de ter de ir para casa da minha mãe, por isso fiz o que faço melhor e experimentei uma coisa nova, na esperança de que não fosse como daquela vez em que experimentei wasabi.

A K era linda. Depois de a conhecer um pouco, adorei-a. Ela beijava-me com mordidelas no fim, mordia como uma piranha, mas todo o meu corpo estava em chamas. Ela tem o rabo em forma de coração mais lindo que eu já vi. O E estava a ser lentamente posto de lado, acho eu, e tentou recuperar o controlo da forma que só um homem sabe fazer, através da dominação. Quando o kink foi introduzido na nossa relação, ou mais exatamente, quando me deixaram cair de cabeça nele, fiquei entusiasmado e aterrorizado em medidas iguais. Os açoites faziam-me sentir viva. As ventosas de fogo faziam-me sentir eléctrica. A submissão a E fazia-me sentir segura. A escravatura fazia-me sentir cuidada. Mas, como tudo o que é bom, acabou por ir por água abaixo muito rapidamente.

Frequentávamos regularmente um evento da comunidade kink, um evento do Rocky Horror Picture Show, em que passavam o espetáculo num projetor de tela, mas em que as pessoas estavam à frente do projetor a encenar o espetáculo de forma hilariante. Havia também outras coisas de kink, como um mestre de cordas que amarrava as pessoas, grupos de pessoas que distribuíam chicotadas e caningues como se fossem rebuçados, e vários outros grupos de pessoas em vários estados de vestuário que faziam várias coisas umas às outras. Foi neste momento que nasceu Andi. Era o paraíso dos hedonistas, com a bilheteira a vender álcool, e E certificava-se de que estávamos sempre, pelo menos, embriagados. Para mim, embriagada significava um acesso fácil para Andi sair.

Andi era a vida da festa, participando em tudo o que podia, namoriscando escandalosamente com qualquer coisa que tivesse pulso. Conhecemos lá o J, um gigante aterrador, que era naturalmente um ursinho fofinho, e conhecemos também o B, que tinha piercings em sítios divertidos, e conhecemos uma rapariga cujo nome já me esqueci, mas que tentou libertar-nos do que considerava ser uma relação claramente abusiva, e Andi fez o seu melhor para tirar partido da preocupação da rapariga. Agora, tudo isto volta a E e K, pois é claro que o namorico escandaloso de Andi lhes provocou ciúmes. É bom falar de poliamor, mas poucos são os que conseguem realmente fazer o mesmo. Incluindo eu próprio.

Quando chegámos a casa, a K fechou-se na casa de banho com uma lâmina de barbear e insistiu que se ia matar. O E e eu tentámos deitar a porta abaixo. Para um apartamento de merda, aquelas portas pareciam feitas de tijolo. Quando finalmente conseguimos que ela abrisse a porta, só tinha feito cortes transversais, não para cima e para baixo, mas eram muitos, e alguns eram profundos. Fizemos-lhe um penso e, no dia seguinte, levámo-la para a unidade de cuidados intensivos. Descobri então que ela estava a ser submetida a um processo que me deixou para além de indignada e não um pouco aterrorizada: Terapia de Choque Elétrico. Ela era praticamente um zombie quando a fomos buscar. Contorcia-se com frequência. Não se lembrava de nada. Dormia muito. O E e eu discutimos, com ele a dizer que isto a estava a fazer melhorar, e que eu não tinha estado lá tempo suficiente para perceber, e eu a dizer que era nojento e monstruoso, e que a estava a transformar num vegetal. Pouco tempo depois, tive de ir a casa da minha mãe e o E deixou-me quando me deixou na estação de autocarros. As suas palavras de despedida foram "és demasiado difícil de lidar contigo". Estas palavras tornar-se-iam um mantra constante e doloroso na minha vida até há pouco tempo.

K não me tinha deixado, mas a longa distância não estava a resultar muito bem, por isso seguimos caminhos separados. Arranjei emprego numa merda de um McDonald's dentro de um Walmart, um sítio muito especial. Enquanto estava com o E. e o K., conheci outro tipo, a quem vou chamar A/N, porque ele teve dois nomes diferentes em alturas diferentes das nossas vidas e é um bocado importante para esta história. Conhecemo-nos num munch, que é basicamente um almoço ou jantar a que as pessoas excêntricas vão, mas sem eventos ou roupas excêntricas para poderem entrar num bom restaurante. A/N era lindo. Alto, olhos azuis, um poeta por amor de Deus, lábios carnudos que podiam fazer coisas desprezivelmente espantosas... Nas palavras de um alter que tivemos em tempos, que era uma dona de casa dos anos 50, ele era um "sonho".

A/N manteve-se em contacto comigo quando fui para casa da minha mãe e acabou por conseguir um bilhete de autocarro para me visitar. Ele pediu-me em casamento, no McDonald's onde eu trabalhava. Era foleiro e idiota, mas o meu coração romântico foleiro e idiota adorou-o, por isso disse que sim. Em retrospetiva, creio que foi nesse momento que comecei a aprender: quando uma rapariga diz sim a um rapaz, a não ser que ele seja um bom rapaz, acredita que a apanhou, com anzol, linha e chumbada, e deixa de tentar. O romance seca muito depressa e acaba por se transformar em "vai buscar a minha cerveja, mulher!" e nós passamos a ser a peça secundária do seu vício em videojogos. Umas semanas depois, encontrei um tipo enquanto trabalhava até tarde para evitar A/N e o resto da minha família de merda. A miséria e o BPD fizeram-me ficar para sair com ele. A Andi concordou com o encontro com ele.

Naturalmente, a A/N não ficou satisfeita com as coisas depois disso. Foi batota? Sem dúvida. A Andi nem sempre era quem estava no controlo, só quando eu estava a beber é que ela aparecia. O resto foi uma falha minha. Mas A/N já tinha quase desistido de nós nessa altura, éramos apenas uma cama para dormir, uma boleia para o GameStop para ele comprar jogos novos, uma casa para ligar a Xbox e jogar. Senti-me ignorado. Com A, o novo rapaz, senti-me bonita. Sentia-me outra vez sexy e divertida. 

Usei um corpete e umas calças de ganga no nosso primeiro encontro e fui para casa com ele. O pai dele pensou que eu era uma prostituta. Tive uma discussão com o namorado da minha mãe por ter passado a noite fora, como se fosse a filha adolescente dele. Ele expulsou-me quando eu lhe disse que não era, de facto, a sua filha adolescente. Fiquei com o A. Claro que o A/N não ficou nada contente com isto. Disse-lhe que voltasse para casa e que lhe enviaria o anel pelo correio. Ele disse-me onde o enfiar. Atirei-o para a escuridão do parque de estacionamento do Walmart. Com sorte, alguma rapariga apareceria e seria uma feliz catadora com um novo anel brilhante. De qualquer forma, era falso e deixou-me o dedo verde.

No início, a vida com A era maravilhosa. Fazíamos sexo a toda a hora, em posições interessantes que eu nem sequer sabia que conseguia dobrar-me. Eu brincava que era um pretzel sexual humano. A também jogava videojogos, mas incluía-me, e achou a coisa mais engraçada do mundo quando fiquei tão obcecada com o Final Fantasy XVIII que o expulsei da sua própria Xbox durante dias até eu o acabar. Ele adorava Pokemon, por isso desenhei-lhe um livrinho com todos os seus Pokemon preferidos e um de mim e dele vestidos de treinadores de Pokemon com um Pikachu bebé. A vida era óptima e nós éramos felizes.

Depois, aconteceu a nossa primeira discussão. Nem me lembro do que se tratava. Só me lembro que foi má. Quando o A se zangava, tornava-se violento. Foi então que a Desi apareceu. Agarrou no que podia carregar nas mãos, chamou a minha avó e pôs-se a andar. Tirou-nos do que se tinha transformado numa situação abusiva. E, como uma idiota, quando o A. ligou uma semana depois a pedir perdão, eu voltei a meter-nos na situação. A foi a pessoa que me fez acreditar durante muito tempo que as pessoas não mudam. Um ciclo de abuso vicioso desenrolou-se, eu fugia, ele magoava-me, a Desi ia-se embora, ele ligava e pedia desculpa, dizendo que tinha mudado, que tinha procurado ajuda, que me amava, que por favor voltasse, e eu voltava. Caí sempre na armadilha. Durante mais de seis anos, de vez em quando.

Entre esse tempo, numa altura em que não estava com A, voltei para o estado onde conheci E e K. A/N também era daqui e, a certa altura, voltámos a encontrar-nos. Mas primeiro, deixem-me falar da M. Ela era espetacular. Quando nos conhecemos, ela estava no armário e chamava-se He. Com o tempo, ela voltou a apresentar-se e, claro, eu aceitei. Não julgo, só quero que as pessoas sejam felizes com elas próprias, seja qual for o seu aspeto ou nome. A M era engraçada e nerd, usava uma gabardina, conduzia um Honda de merda que já tinha visto melhores dias e gostava de Repo, a Ópera Genética e de anime. Levava-me a lojas de banda desenhada e a noites de jogos com amigos, e inspirou a minha paixão por jogos de mesa e pelo World of Darkness. O sexo nem sempre era o melhor, a sua disforia atingia-a em momentos embaraçosos, mas ela sabia que eu tinha DID e amava-me mesmo assim. Eu convenci-a a fazer a barba e a usar roupas bonitas e ela convenceu-me a aceitar melhor as minhas partes danificadas e a deixar os alters terem o seu tempo livre. M é o primeiro e único parceiro que Desi teve. Foi um erro deixar M conhecer Desi.

O M também era poli e, a certa altura, namorámos com a K. Sim, a ex linda com o rabo em forma de coração. Aquela zona era um mundo tão pequeno. A K tinha perdido a sua figura, mas nessa altura eu também, por isso encontrámo-nos novamente e voltámos a apaixonar-nos muito. Desta vez, porém, comecei a aperceber-me de que as coisas não eram bem o que pareciam ser com K. Em primeiro lugar, K tinha-me revelado os seus muitos encontros com SA. Cheguei a conhecer um dos alegados abusadores e fiquei horrorizado. Cortei imediatamente qualquer contacto com ele. Aparentemente, o E também tinha abusado dela de várias formas. Tiveram um filho juntos, mas os pais dela ficaram com a criança e o E estava a tentar obter a custódia. K também me revelou que também tinha DID. É aqui que as coisas se tornam muito confusas para mim. K nunca tinha mostrado um único sinal de DID. Agora, de repente, anos mais tarde, ela apresenta todos os sinais, de forma exagerada e dramática, até ao ponto de ter um ataque completo antes de uma troca. As suas mudanças também correspondiam às minhas; Alli saía e K tinha um pequeno alter que saía, Andi saía e K tinha uma mudança de animal selvagem e festeiro, eu tinha um alter masculino chamado André que saía e, claro, K tinha um alter masculino que saía para jogar videojogos com ele. Todos os seus alters tinham nomes semelhantes aos meus alters. Alison era a sua pequena, Andromeda era o seu animal de festa, Anthony era o seu macho, Destiny era a sua versão de Desi. Na altura não sabia o que pensar disso, nem sei agora. Sei, sim, que de acordo com as pessoas com quem falei sobre ela desde então, ela não teve quaisquer sinais de DID desde que está comigo. É... muito.

Voltemos à Desi e ao M. A Desi foi-se embora por duas razões: a primeira é que o K a deixava muito desconfortável, pois era acompanhante e recusava-se a revelar se fazia tratamentos depois dos seus trabalhos ou se fazia um exame para garantir que o M e nós estávamos seguros depois de termos relações sexuais com ela. Desi suspeitava fortemente que ela tinha apanhado herpes algures pelo caminho e insistiu para que deixássemos de dormir com ela até que isso fosse divulgado e resolvido, o que consequentemente causou uma discussão e a separação. Em segundo lugar, o M começou a usar a Desi como um brinquedo sexual. Não, quem me dera estar a brincar. 

M começou a prestar atenção às coisas que provocavam a saída de Desi e a manipulá-la para que saísse para ter sexo. Com ela e só com ela. Eu era ignorado e negligenciado. Fiquei muito deprimido quando percebi que era isso que estava a acontecer, sentindo a síndrome do impostor pior do que nunca. Não conseguia dar a M o que ela queria, despoletava sempre a sua disforia. Quando eu saía, a M ignorava-me, e se eu tentava fazer-lhe um carinho, ela levantava-se e insistia que tinha coisas para fazer. Comecei a automutilar-me a um ritmo que até eu achava ligeiramente alarmante, mas sentia-me mais do que entorpecida e não me importava. Desi começou a sentir-se usada e tomava duches de água quente escaldante e esfregava-nos a pele até sangrarmos. Ela estava farta e foi-se embora, dando-nos entrada numa instituição. Este seria o nosso segundo ou terceiro internamento voluntário, mas o mais importante, pois tivemos um avanço e finalmente fomos diagnosticados.

Depois do desastre com M e K, voltámos para casa da minha mãe. Voltámos a estar com A durante algum tempo e engravidámos. Isto foi um desastre. Na altura, a minha mãe tinha muitas pessoas em casa dela, uma das quais era um casal que todos conhecíamos. A rapariga era tamanho zero, tinha cabelo ruivo flamejante e usava as roupas mais ordinárias que conseguia encontrar enquanto se pavoneava à volta de A. Naturalmente, ele babava-se bastante. Durante a minha gravidez, foi-me diagnosticada pré-eclampsia, uma doença que causava muito inchaço e podia provocar convulsões, entre outras complicações perigosas. Pesava 305 libras no dia anterior ao nascimento da minha filha. Esta rapariga que namoriscava com o A era o inimigo público número um no meu livro, e o A era um idiota por me dizer que podia olhar, mas não tocar, tendo em conta que eu tinha olhado e até tocado quando estava com o A/N e fiquei com o A. Aparentemente, aos olhos dele, uma vez traidor, sempre traidor.

Quando o bebé nasceu, deram-me uma série de medicamentos. De qualquer modo, não podia amamentar, pois tinha morfina na corrente sanguínea quando a tive, pelo que ela foi alimentada a biberão e, depois disso, não pegava ao colo. Mais uma razão para eu ser um fracasso aos olhos de toda a gente. Comecei a tomar lítio, Tegretol, Halydol e alguns outros medicamentos que me ajudavam a dormir. Sentia-me constantemente enjoada, cansada e não conseguia concentrar-me em nada. Quase não comia e dormia muito. Por vezes, dormia enquanto o bebé chorava a pedir comida ou uma muda de roupa e a família de A. tratava-me como se eu fosse uma toxicodependente. Limitavam o meu contacto com o bebé, tirando-o sempre dos meus braços, preocupados que eu o deixasse cair. A ignorava-me. Já tinha descoberto que ele me andava a trair várias vezes e, embora isso me doesse, tinha caído numa mentalidade de "eu mereço isto por o ter deixado, e traí A/N com A, por isso também sou uma traidora". A minha autoestima estava no seu ponto mais baixo.

Uma noite, preparei-me para me deitar e tomei uma grande quantidade de cada um dos meus medicamentos.

Quando acordei, tinha um tubo na garganta e ligaduras nos braços. Aparentemente, Andi tinha decidido acrescentar insulto à injúria e cortou os nossos braços praticamente em pedaços com uma faca de cozinha, depois de eu ter perdido a consciência por causa dos comprimidos. Comecei um mês de internamento num hospital. Quando tive alta, A acabou comigo e pôs-me na rua. As suas palavras de despedida foram "és demais, não consigo lidar com isto".

Podia voltar para a casa da minha mãe infestada de baratas, que já tinha sido invadida pela SWAT por causa dos drogados que lá viviam, ficar sem casa ou aceitar a oferta de ficar com um amigo. Nenhum destes ambientes era propício para cuidar de uma criança. Eu tive uma vida nómada e abusiva terrível enquanto crescia e queria muito mais para o meu bebé. Assinei os papéis com a irmã de A., que me concedeu a custódia temporária até uma altura em que eu pudesse alojar e sustentar a minha filha de forma adequada, sem qualquer dúvida. Quando saí para ficar com a minha amiga, a minha filha, na altura com 2 anos, agarrou-se a mim e chorou para que eu não fosse, para que a levasse comigo. Nunca me senti tão destroçada na minha vida como nessa noite.

O meu amigo era, adivinhou, um novo namorado. Eu não queria que isso acontecesse, ele era apenas um amigo para começar. O nome dele também começava por um E, por isso vamos chamar-lhe E2. Era um daqueles tipos que se disfarça de cavalheiro mas tem um sorriso de tubarão. A sensação de perigo era sedutora. Claro que Andi sempre gostou de brincar com o fogo. E2 também tinha uma namorada, que vivia noutro estado, B. Ela era o oposto dele e de K, tal como a noite é o dia. B era suave, ingénua, carinhosa, brilhante, borbulhante, alegre. Estava protegida, e eu adorava-a absolutamente. Praticava remédios naturais para todas as doenças, mas acreditava firmemente que os médicos precisavam de medicar por vezes, como no caso das vacinas, do cancro, etc., mas o hipericão podia e ajudava-me com a minha depressão. O E2 era... Bem, ele era louco de uma forma que nem a Desi estava à espera. Estivemos juntos apenas alguns meses, mas foi uma relação apaixonada, selvagem e despreocupada. A B tinha-nos visitado, mas tinha voltado para o seu estado, e éramos só eu e o E2. Um dia, ele disse que tinha de ir passar algum tempo na cadeia por causa de umas infracções por excesso de velocidade, para poder voltar a tirar a carta de condução. Deixou todos os seus pertences para trás. Esperei as duas semanas que ele disse que ia estar fora. Ele nunca telefonou. Nunca me avisou quando estava fora. Tínhamos feito planos para eu o ir buscar. Deixei inúmeras mensagens de voz.

Três semanas e dois dias depois de ter saído para limpar o seu nome, ele finalmente respondeu. Eu era um desmancha-prazeres. Ele tinha sido apanhado por um dos seus amigos e tinha estado a festejar toda a semana desde a sua libertação. Tinha arranjado um bilhete para ir viver com a B. Posso ter a amabilidade de enviar as roupas e o portátil dele para a morada dela? A propósito, Jess, tu eras mesmo uma pessoa muito difícil, demasiado, na verdade.

Aquelas palavras corroeram-me. Demasiado. Eu era demasiado. Eu era uma mão-cheia. Eu era demasiado dramática. Demasiada insanidade. Eu era sempre demasiado.

Voltei a A/N e a M. Acontece que K estava um pouco confusa e tinha decidido que precisava de uma cadeira de rodas. Porquê? Não vos sei dizer. Ela tinha sido submetida a uma cirurgia electiva e insistiu que precisava de um daqueles sacos que esvaziam o estômago, e mal conseguia andar sozinha, oh e, já agora, a K é agora J e é conhecida por eles/elas, e foi SA'ed pela M, e por mim, e por vários outros, e ia para a Grã-Bretanha para estar com o amor da sua vida. Ainda não me arrependo de ter apertado a mão do seu novo parceiro e de lhe ter agradecido por ter retirado J das nossas costas. O sentimento de vingança por ter sido falsamente acusado de agressão valeu a pena um milhão de vezes. M e eu não durámos muito tempo. Eu tinha arranjado outra namorada pelo caminho, a trans R, que era pegajosa e carente e também um pouco racista. Também não durou muito tempo, quando a R tentou meter-se entre mim e a M. Pouco depois, a M entrou numa espiral de confusão e tentou suicidar-se enquanto eu tentava gerir a nossa mudança, o seu acidente de viação, e manter os nossos empregos e a terapia. Deixei-a no centro de acolhimento, dizendo-lhe que precisava de se concentrar em si própria e que, para a minha própria saúde mental, não podia fazer parte disso.

A/N tinha-me só para ele. Insistiu que nos mudássemos para um estado vizinho, onde tinha amigos que lhe arranjariam um emprego na área da segurança e onde ele poderia ganhar bom dinheiro. Reacender a nossa relação foi uma má ideia. Tipo, a mãe de todas as más ideias. Ele tratou-me como se eu devesse estar grata por ele me ter aceite de volta depois do que lhe fiz. Ele achava que tinha o direito de me tratar como um objeto, não como uma pessoa. Não me era permitido fazer as minhas próprias escolhas e ele não era obrigado a tomar conta de mim de forma alguma. Uma noite, pôs as mãos à volta do meu pescoço até eu desmaiar, continuando a ter relações sexuais comigo apesar de eu estar inconsciente. Ele deu-me vários murros e eu acordei com várias nódoas negras e a sangrar em sítios íntimos. Depois disso, só dormia com ele se estivesse bêbeda ou pedrada, pois tinha começado a fumar erva para acalmar os meus ataques de ansiedade. Estava constantemente a ser enganada por ele. Discutíamos e, de alguma forma, ele acabava por perdoar eu. A Andi saiu a certa altura e insistiu em fazer uma viagem para ver um amigo num estado diferente, o que, claro, causou enormes problemas com a A/N. A Andi não se importou, claro, juntou-se a várias pessoas e festejou a semana toda. Cheguei a casa de ressaca e o A/N disse-me que não me ia buscar ao aeroporto. Ele acabou por ir, mas só depois de me deixar a suar durante várias horas que eu podia acabar sem casa.

Por esta altura, comecei a falar com o homem mais fantástico que alguma vez conheci, o meu atual noivo. O nome dele começa por K, mas eu recuso-me a chamar-lhe K2 porque o primeiro K não merece esse reconhecimento, por isso vamos chamar-lhe KH. Ele mandou-me uma mensagem num site de kink em que a Desi fez um perfil na esperança de encontrar alguém divertido mas que não fosse como o M, e eu fiquei muito apaixonada. Ele era doce, educado, falava do seu gato e de como daria tudo para ser o tudo de alguém. Claro que A/N o odiava. Mas ele não tinha muito a dizer, uma vez que tinha acabado comigo desta vez, por isso eu era a minha própria pessoa. KH e eu ficámos acordados até tarde a conversar. Partilhávamos música, poesia, literatura, filmes, fotografias. Ele era engraçado, doce, carinhoso e apaixonado. Disse-me que nunca me trataria como os outros o tinham feito. Nunca levantaria uma mão para mim, exceto por amor. Aceitava os meus alter-egos e várias doenças mentais e dizia-me que eu era muito mais forte por causa deles, que eu podia vê-los como uma maldição, mas ele achava que eram uma bênção, porque me faziam ser eu, e ele amava-me toda.

Naturalmente, foi nesta altura que A/N se apercebeu que me ia perder para sempre e que teria de encontrar um novo saco de pancada. Eu e o KH falámos sobre o assunto, mas ele estava aterrorizado por mim e, quando falou, o meu cérebro traduziu o seu medo em possessividade controladora. A/N ganhou, e eu e o KH tivemos uma separação complicada. Foi o momento mais infeliz para os meus instintos de auto-preservação entrarem em ação. A/N começou a tratar-me com gentileza e falou em arranjar o seu emprego de sonho como garantia de segurança, arranjar-nos uma casa, um carro, que eu não teria de trabalhar se não quisesse e poderia dedicar-me aos meus passatempos e ao voluntariado (há muito tempo que queria ser voluntária em várias causas). Ele começou a namorar-me novamente e a vida era bastante boa. Trabalhei numa agência de trabalho temporário e fiz trabalhos de catering e na cafetaria de uma faculdade. Éramos muito pobres e eu comecei a fumar cigarros quando a erva acabou. Visitávamos as despensas de comida e dormíamos na nossa carrinha de merda, meio avariada, em parques de estacionamento e parques.

Um dia, fui com ele à despensa de alimentos. Estávamos sem cigarros e eu ofereci-me para levar a carrinha e ir buscar o meu cheque e alguns cigarros enquanto ele esperava pela nossa vez de ir buscar comida. A probabilidade de eu voltar antes da nossa vez era muito grande. A/N decidiu que eu ia ficar com alguém e deixá-lo. Discutimos. Ele agarrou nas chaves e correu para a carrinha, dizendo que eu podia ficar e encontrar outro sítio para dormir nessa noite. Todas as minhas coisas estavam na carrinha, por isso corri para o impedir. Peguei na minha mala e no telemóvel e tentei impedi-lo de sair. No processo, ele bateu-me na bochecha com o cotovelo, deixando uma nódoa negra, e arranhou-me o ombro (ainda tenho a cicatriz). Depois de me ter empurrado para o parque de estacionamento, bateu com a porta e começou a arrancar. Tentei sair do seu caminho, mas ele continuou a desviar-se como se me quisesse atropelar. Só não fui atropelada porque tropecei numa pedra do parque de estacionamento. Ele pôs-se a andar e não voltou.

Um homem e a sua mulher tinham assistido a toda a cena. O homem deu-me uns cigarros e a mulher ajudou a limpar o sangue de mim, depois convenceram-me a chamar a polícia. O casal ficou comigo enquanto eu prestava depoimento, depois levou-me para receber o meu cheque, comprar cigarros e deixou-me num abrigo para mulheres, desejando-me as maiores felicidades. Gostava de saber os seus nomes ou números para lhes telefonar e agradecer-lhes por terem mudado completamente a minha vida. A casa de abrigo ajudou-me a reerguer-me. Conseguiram ajuda para o processo contra A/N. O advogado disse-me que, uma vez que se tratava de um caso de maus tratos tão grave, eu poderia apenas prestar um depoimento escrito e em vídeo e não teria de enfrentar o meu agressor no julgamento. A minha mãe fez com que eu voltasse a viver com ela. Ela andava a sair com um novo namorado e ele não era um idiota abusivo como o seu ex. De alguma forma, a minha mãe tinha a vida mais organizada do que eu. Enviei uma mensagem lamentável ao KH, dizendo-lhe que ele tinha razão, que a A/N me tinha feito coisas terríveis e que estava muito arrependida da forma como tinha agido com ele. Ele não respondeu.

Passaram vários meses e eu recuperei a minha vida. Encontrei um novo terapeuta, visitava a minha filha sempre que podia e arranjei um emprego de que realmente gostava. A única desvantagem era que, enquanto o namorado da mãe a tratava como uma rainha, ele odiava-me. Uma noite, manteve-me acordada até às 4 da manhã, gritando comigo por não tomar conta da minha mãe ou do apartamento, e por eu ser uma falhada ingrata e preguiçosa. Adorável, quando eles esvaziavam constantemente a minha conta bancária indo a bares todos os fins-de-semana, deixando-me sem dinheiro.

Passaram-se meses e KH finalmente respondeu. Tinha seguido em frente na sua vida e tinha-se tornado líder de um grupo pagão espiritual no Facebook e fazia leituras de tarot profissionalmente, por isso tinha estado ocupado e não tinha visto a minha mensagem. Voltámos a ligar-nos, inicialmente de forma hesitante, e reconstruímos uma amizade. Nos meses seguintes, a chama de antes reacendeu-se e começámos a falar novamente de uma relação. Tínhamos amadurecido individualmente durante o tempo em que estivemos separados, mas tornou-se claro que ambos continuávamos a sentir algo um pelo outro. Fiquei espantado.

Por fim, deixei a casa da minha mãe e fui viver com o KH. Tivemos os nossos altos e baixos, os nossos solavancos na estrada. Testemunhar a minha DID à distância era uma coisa, mas testemunhá-la pessoalmente era mais difícil e, durante algum tempo, isso causou alguns problemas. A certa altura, quase o deixei, não devido a maus tratos ou a ser traída, mas porque tinha medo, muito medo, de conseguir estragar tudo de alguma forma e ele ver-me como todas as outras, como sendo demais. Quando lhe disse isso, ele sentou-se comigo, abraçou-me e conversou.

Ele disse: "Nunca serás demais. Não és perfeito, mas eu também não sou, e continuas a amar-me, com defeitos e tudo, tal como eu te amo. Os outros tipos viam-te como demais porque eram parvos e idiotas. Na verdade, eles não te achavam demais, era apenas o que diziam para justificar os maus tratos que te faziam, para que a culpa fosse tua e não deles. Tu nunca serás demais para mim, e eu estarei ao teu lado até que não me queiras mais, espero que quando formos velhos e grisalhos e puderes bater-me com a tua bengala e empurrar-me colina abaixo na minha cadeira de rodas".

Nessa altura, soube que KH era de facto o amor da minha vida. Independentemente do que acontecesse, nós aguentaríamos. Podemos discutir, mas falamos sobre isso depois de nos acalmarmos. Ele nunca me levantou a mão com raiva. Nunca me traiu e, de facto, contou-me sempre que uma mulher se tentou atirar a ele. Tentámos o poli, mas alguns dos meus traumas vieram ao de cima e ele cancelou-o imediatamente e concentrou toda a sua atenção e devoção em mim. Não tenho nada a não ser uma gratidão infinita por ele e sei que finalmente encontrei a minha casa, o meu lugar seguro, e estou a curar-me dos meus ex e dos meus porquês do passado.

3 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Os fractais da noite
11 dias atrás

Meu, a forma como falas do "KH" no final faz-me lembrar a forma como vemos o nosso sistema de esposa/parceira. O nosso sistema tem tido a sua própria jornada estranha e traumatizante com ex. e, apesar de conhecermos o StarFissure desde a infância, ainda nos choca absolutamente que todo o seu sistema nos "ature"

Os fractais da noite
Responder a  musa
11 dias atrás

Nós sentimos definitivamente o mesmo em relação ao nosso sistema de parceiros. É selvagem. Mas muito bom.
E isso é muito, muito verdade. Eles são pessoas maravilhosas, por isso devem estar a ver algo muito bom se decidem ficar por cá

Saltar para o conteúdo