(inserir uma variedade de ruídos de stress de Alexei)

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Hoje estou a fazer frente. O que NÃO é o que eu quero, por várias razões.

Antes de mais, hoje é o dia da terapia do nosso sistema.

Talvez surpreendente para alguns, o facto de eu não querer estar à frente (especialmente na terapia) hoje NÃO é porque estou a fugir das minhas próprias coisas que preciso de trabalhar... pelo menos, não conscientemente, como na maioria das vezes.

Não.

Hoje não quero ir para a terapia porque sou o idiota que está sempre a impedir os alters de obterem a ajuda de que precisam. Nem tudo é intencional. Até há uns meses atrás, eu suprimia COMPLETAMENTE os alters que têm certas "memórias" que estão em processo de ser um pouco mais resolvidas [o teste de ADN foi submetido, e veremos o que acontece a partir daqui]. Ainda estou a suprimi-los inconscientemente, porque as suas "memórias" me aterrorizam.

Nesta situação, tenho medo tanto de estar certo como de estar errado. E o facto de ser um sistema torna inevitável que ambos os resultados aconteçam de qualquer forma [uns correctos e outros incorrectos]... mas até termos mais informação, honestamente não podemos dizer com certeza. Pessoalmente, continuo a acreditar que este disparate de termos sido de alguma forma retirados de França quando tínhamos entre 1 e 2 anos de idade é uma fantasia escapista. Se sei onde raio fomos buscar alguns dos pormenores estranhamente específicos sobre um determinado bairro residencial? Não concretamente. Mas posso pensar numa tonelada de possibilidades de como pode aconteceram.

Pensar em ser uma criança adoptada internacionalmente, roubada ou deslocada, aterroriza-me. Traz-me à tona sentimentos de fracasso. De mágoa. De dor. [Alguns no meu sistema usariam isto como uma oportunidade para partilhar que eu tive uma experiência de emdr que me trouxe memórias de "ser culpado" por ter sido separado da nossa família... mas eu pessoalmente ainda posso explicar isto como uma altura em que podemos realmente ter sido separados da nossa família. E talvez até no contexto de eu ter andado a vaguear ou algo do género. Mas, honestamente, é muito comum os miúdos perderem-se e separarem-se brevemente da família num ambiente com muita gente. Por isso, isto não parece tão "prego a fundo" para mim como para outros no meu sistema]

Mas nem sequer é com a supressão de alters que estou preocupada hoje. Não... a partir de ontem, descobri que também tenho andado a suprimir outros alters.

Altares que precisam de ajuda. Que... me aterrorizam num outro aspeto.

Não quero entrar em pormenores até falar com o nosso terapeuta. O que mais odeio é o facto de eu saber esta não será a primeira vez que levantamos algumas das nossas suspeitas com eles. Acho que é mesmo a terceira ou quarta vez... mas quem sabe com a amnésia e tudo isso?

Quando me lembrei de falar com eles sobre estas suspeitas, consegui tranquilizar-me, dizendo que não - que as suspeitas não pareciam abranger as coisas de que eu tinha conhecimento, por isso ignorei-as. Mas eu devia ter percebido que não senti alívio ou tranquilidade em relação ao assunto... simplesmente pensei "bem, isso não se parece com o que eu sei atualmente" e, sendo o brilhante [sarcasmo] alter eu sou, esqueci-me completamente/ignorei/não me lembrei de verificar os alter que estavam realmente a experimentar as coisas???

"Bem, como é que conseguiu fazer isso inconscientemente?", pode perguntar-se.

Posso não saber com 100% de certeza [porque não tive tempo nem motivação para estudar exatamente como é que cada cérebro individual com DID lida com essas coisas... mesmo que tal tarefa de investigação pudesse ser realizada], mas tenho uma teoria (uma SISTEMA teoria! - Gabriel)

Sinceramente, acho que foi PORQUE já os estava a suprimir. As experiências que estes alters têm fazem com que o meu cérebro "precisa de ter um plano para tudo e mais alguma coisa" entre em ação, e faz disparar a minha ansiedade e stress por estar prestes a funcionar "como uma pessoa normal" e a tomar conta da quota-parte de responsabilidades do nosso sistema na nossa vida... e por isso "desliguei-os".

Com a simbologia do mundo interior, esta ação tornou-se um pouco mais intensa. Aprisionei muitos alters em vários contentores, desde caixões a cápsulas cheias de âmbar líquido. E enquanto eles estavam assim escondidos, essas experiências principalmente atenuado. O suficiente para não nos apercebermos... ou pelo menos o suficiente para que a amnésia e a dissociação nos façam esquecer se fez aviso.

De qualquer forma, estes alters estavam a falar de algumas das suas experiências ao longo da nossa vida com a nossa mulher/parceiro-sistema, pouco antes de eles (parceiro-sistema) fazerem terapia. O que eu não esperava era que eles voltassem da terapia e dissessem "então... é EXTREMAMENTE IMPORTANTE que contes ao teu terapeuta amanhã [agora hoje] sobre estas coisas".

Obviamente que não estou chateado por eles terem falado sobre a conversa com o terapeuta. Foi um caos para mim, pensar que as experiências eram apenas "partes assustadoras da D.I.D.", apenas para ter o sistema da nossa mulher a dizer "não... isso não é algo que tenhamos experimentado, nem parece neurotípico". Com a estranheza dos tópicos que abordámos, e o facto de sermos uma parte grande e importante da vida deles, faz todo o sentido que tenham abordado a conversa na terapia de ontem...

Mas, de tudo o que os ouvi dizer sobre o terapeuta deles, não estava preparada para que eles dissessem o quanto o terapeuta deles insistiu em falar sobre o assunto com o nosso terapeuta hoje. Na hora aproximada em que estiveram fora da terapia, já tínhamos quase sempre conseguido dizer "ha ha ha... partes engraçadas e stressantes e assustadoras da D.I.D." com os assuntos novamente.

Sinceramente, neste momento sinto que a ideia de trazer tudo isto à baila na terapia de hoje é tola e desnecessária. [Ainda planeamos fazê-lo... mas quero sublinhar o quão estranha e surreal a situação como um todo me parece neste momento. Tipo... parece que o nosso cérebro, e especialmente a "minha parte" dele, está a fazer tudo para mascarar estas coisas e fazer-nos esquecer que elas existem]

A não ser que os alters estejam de facto à frente, ou que OLHEMOS de facto para as memórias onde estas experiências ocorreram [em vez de um breve olhar antes de seguir em frente], parece que tudo não passa de uma história. Para mim, parece-me ainda menos importante e digno de reconhecimento do que as estúpidas "memórias" francesas, apesar de, no momento, ser muito MAIS angustiante.

Na verdade, acabei de enviar uma mensagem de texto ao nosso terapeuta [ainda bem que eles permitem isso], para dizer que o Break e eu precisamos especificamente de NÃO ser autorizados a fazer a nossa coisa de "fugir à coisa grande/assustadora e falar sobre tudo e mais alguma coisa", que ambos temos o dom de fazer quando estamos muito stressados com determinado tipo de coisas.

Vamos odiar o facto de o termos feito quando chegar a altura da terapia. Provavelmente, até nos vamos amaldiçoar algumas vezes até lá. Porque se não tivéssemos avisado o nosso terapeuta, podíamos ter com sucesso adiou tudo isto para um futuro nebuloso.

Se tivesse sido apenas o Break, talvez ainda tivesse sido assim. Mas nem sempre se lembram de refletir sobre toda a situação. Afinal de contas, é muito provável que, quando chegarem a casa do trabalho, a nossa mulher/parceiro-sistema nos pergunte sobre a terapia e como correu o processo.

E não quero desiludi-los e preocupá-los dizendo que não falámos sobre isso. [Sei que seria de longe mais o lado da preocupação... mas o meu próprio eu considerará isso um fracasso e uma desilusão, uma vez que o meu primeiro objetivo na vida tende a ser "garantir que a nossa mulher/parceiro-sistema tem de se preocupar o menos possível"].

...blah. Sinceramente, odeio o facto de que, para atingir verdadeiramente os meus objectivos, tenho de... cuidar de mim. Cuidar de mim própria. Falar com o terapeuta e o médico sobre coisas como o que temos de fazer hoje. Outras coisas do género que prefiro pôr de lado "para me concentrar mais nelas".

É muito estranho ser tão importante e necessário para alguém de quem gosto tanto que essa pessoa precisa que eu cuide de mim para a poder ajudar melhor. Isso... não é algo a que eu esteja habituado [o que honestamente diz muito, mas eu já tenho dezenas de ferros no fogo, por isso vou ignorar ESSA por mais algum tempo].

Uma coisa de cada vez.

E a coisa de hoje é a prioridade máxima atual.

-Alexei

2 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
O sistema de fissuras estelares
9 dias atrás

<3

musa
5 dias atrás

Fala o Jess. Sinto-me muito bem com o "adiar isso para amanhã ser problema da Jess". Ainda bem que enviaste aquela mensagem ao teu terapeuta para tentares manter-te responsável. Percebo que os outros alters tenham memórias aterradoras com as quais não se quer confrontar. Até à data, muitas das memórias dos portadores de traumas são uma grande caixa de "não" para mim.

O problema de ser um alter fronting (comigo, pelo menos) é que duvido que conseguisse lidar com o fronting se recordasse com clareza essas memórias, mas ao mesmo tempo, graças a muita integração, essas memórias tornam-se um pouco menos difusas com cada uma delas. Sinceramente, tenho medo que uma maior integração me quebre de novo, por isso estou a evitá-la com a noção de que "não ser uma personalidade inteira não faz mal, é suficientemente saudável, eu estou bem, nós estamos bem - riso ligeiramente histérico - está bem". .-.

Mas um grande abraço para si e espero que a sua terapia tenha corrido bem e que se possa curar. Pode ser assustador, mas às vezes quando olhamos para trás com alguma distância, as coisas tornam-se menos assustadoras e ajudam-nos a curar. Somos mais fortes pelas nossas experiências. 🫶🏻

Saltar para o conteúdo