As coisas parecem um pouco sem esperança 

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Sinto-me triste, seja pelos meus sentimentos ou pelos sentimentos que se estão a misturar. 

Não sei porque é que estamos tristes.

No entanto, equiparo-o a um sentimento de desespero relativamente à nossa situação na universidade, embora possa não ser esse o caso. 

Talvez seja por termos ido à biblioteca local buscar filmes da secção infantil e termos visto coisas que nos pareciam vagamente familiares do nosso passado. 

Pensei que escrever poderia ajudar. 

Só queria que fosse a 2 de janeiro para que o nosso contacto no gabinete de apoio financeiro pudesse responder-nos. Além disso, nessa data, o refeitório estará aberto e não teremos de nos preocupar tanto com a comida, bem, para além de acordar a tempo para quando o refeitório estiver aberto por um período limitado. 

Não gosto de me sentir sem esperança.

Mas normalmente recuperamos. 

Embora pareça um ressalto atrás do outro. 

Passar por dificuldades -> recuperar -> passar por dificuldades -> recuperar -> ...

Talvez eu devesse admirar a nossa capacidade de ultrapassar obstáculos. Vejam o quão longe chegámos em relação ao ponto em que estávamos. 

Embora, muitas vezes, quando as pessoas nos aplaudem por um determinado talento, sentimos uma sensação estranha, uma certa dor no peito. Principalmente porque temos estas capacidades, embora a maior parte delas sejam capacidades de sobrevivência. Não pedimos para sermos bons em sobrevivência, é apenas a forma como o nosso cérebro nos mantém vivos. 

Acho que vimos algures um sistema que dizia: "Começamos a viver por nós próprios e não estamos a analisar cenários e a extrapolar os melhores cursos de ação. Podemos simplesmente estar presentes". Ainda não chegámos a esse ponto. Ainda estamos a analisar cenários e as melhores formas de ação. Como é que fazemos para que as coisas corram a nosso favor e não a favor dos nossos pais?

Também queremos culpar os nossos pais pela sua falta de maturidade emocional e falta de terapia. Principalmente porque, provavelmente, estão chateados connosco e sentem-se desesperados porque, na sua mente, o seu filho mais novo decidiu abandoná-los, pedindo dinheiro para a faculdade e não dando "nada" em troca. E fazem desses sentimentos o nosso problema. Não se trata do nosso bem-estar, mas sim da forma como isso os está a afetar. 

-

Os nossos pais não nos estão a facilitar a vida. Estamos numa situação difícil porque nos encontramos numa encruzilhada entre a autonomia pessoal e a obrigação familiar. Somos de uma família que dá prioridade à obrigação familiar. 

As suas reacções magoam-nos. Torna as coisas difíceis para nós. Faz-nos duvidar se tomámos a decisão certa ao criar distância entre nós e a nossa família. 

Parece um pouco desesperante, porque nunca estivemos nesta situação antes, por isso não temos a experiência de como a navegar. 

Só gostava que tivéssemos mais pessoas do nosso lado, especialmente aquelas com grandes contribuições financeiras. (Parece-me ideal. Embora, dada a nossa situação com a nossa família e o dinheiro, isso possa ser desencadeante para nós. Estamos tão habituados a grandes desequilíbrios de poder). 

Provavelmente vamos conseguir ultrapassar isto. De alguma forma.

Demos a um dos nossos amigos uma atualização da nossa situação.

Perguntou-nos se havia alguma forma de poder ajudar a nossa ansiedade com a nossa situação atual. 

Não sei como é que ela pode ajudar. Talvez oferecer apoio quando os prazos se aproximarem?

Os nossos pais deram prioridade às necessidades físicas em detrimento das necessidades emocionais. 

-

O que significa que, quando ela ofereceu apoio, saltámos para a forma como ela poderia ajudar com as nossas necessidades físicas. Preocupações com alojamento/alimentação. O que ela não pode fazer porque as propinas são muito caras e nós somos muito exigentes a comer. 

Embora haja provavelmente formas de ela poder ajudar emocionalmente. Embora apenas através de texto, porque ela está de volta ao seu estado natal (que não é Ohio) para as férias de inverno. 

Não sei como é que as pessoas podem satisfazer necessidades que não são físicas. 

Quero terapia para nós. Quero um bom terapeuta para nos ajudar a resolver as coisas. E que alguns de nós se abram sobre o que estão a fazer. 

É difícil colocar coisas num espaço público sem sentir que as estamos a exibir. 

"Macaco dançarino, macaco dançarino"

Mesmo que o espetáculo venha normalmente da nossa própria cabeça e do trauma que a fez existir. 

Quero fazer mais do que apenas sobreviver. 

Quero passar pelos desafios de fazer algo que nos faça sentir bem, algo que possamos aprender e que não tenha de ser por uma razão prática, como a sobrevivência. 

Embora eu diga isto sabendo que os nossos dias de sobrevivência não estão para trás. 

Pelo menos temos alguns intervalos no nosso horário /sar. 

2 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Os fractais da noite
4 meses atrás

Situação de vida completamente diferente, mas esta parte afectou-nos muito:
"Começamos a viver por nós próprios e não estamos a analisar cenários e a extrapolar os melhores cursos de ação. Podemos simplesmente estar presentes". Ainda não chegámos a esse ponto. Ainda estamos a analisar cenários e as melhores formas de agir.

Isso... é muito fácil de compreender. Nem sequer consigo compreender como começar sem analisar todos os cenários e os melhores cursos de ação. Parece... impossível.
-Alexei

O sistema de fissuras estelares
4 meses atrás

Identifico-me com muito disto. Sentir que se está a fazer um espetáculo ao expor os sentimentos honestos, não saber como pedir ajuda não física. (Honestamente, parece que dois mundos - o interior da minha cabeça e o mundo exterior - que não foram feitos para coexistir estão a tentar fundir-se).

Saltar para o conteúdo