Sinto que não consigo fazer nada bem

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Alguns minutos antes de sairmos para a nossa avaliação terapêutica, sofremos um traumatismo craniano na parte de trás da cabeça esquerda com uma prateleira de metal.

Tomámos Tylenol. 

Dissemos a nós próprios que, se conseguíssemos percorrer a pé a distância entre o refeitório e a nossa residência - uma boa caminhada de seis minutos -, podíamos ir até ao local da terapia. O local de terapia fica a 49 minutos de distância da nossa faculdade.

A maioria de nós estava a pedir a quem estava fora na altura para enviar um e-mail ao terapeuta e pedir para remarcar. Sofremos uma lesão grave na cabeça e planeávamos conduzir durante 49 minutos. Isto poderia ser desastroso.

Ainda bem que encontrámos uma garrafa de água congelada num carro, que usámos como saco de gelo improvisado. 

Apesar dos nossos avisos para não conduzir. 

Também estávamos preocupados com o facto de termos de pagar a sessão perdida, uma vez que já tinha passado o prazo de 24 horas para as sessões. E já estávamos a planear utilizar o cartão de crédito pago pelos nossos pais para pagar a comparticipação (e o custo da avaliação). 

O que aconteceu foi que acabámos por conduzir até ao local da terapia.

Conduzi 49 minutos para lá chegar.

(A primeira sessão não tinha o número de telefone do terapeuta para solicitar a tele-saúde, creio eu. Também não procurámos esta opção).

Ainda bem que tínhamos café para nos mantermos alerta /sar. 

Penso que estamos no fim da nossa corda.

Foi um disparate ir para a terapia depois de ter batido com a cabeça num poste de metal, mesmo que tenhamos chegado inteiros à terapia. Apenas vinte minutos atrasados (passámos de carro pelo local, porque não sabíamos como era o edifício). 

Estamos agora de volta à nossa residência. 

Conduzi mais 49 minutos para regressar aqui.

Nem sequer contámos isto aos nossos amigos, porque receamos estar a monopolizar o tempo deles. Talvez só por despeito, e para responsabilizar alguns de nós.

Não sabemos como praticar a bondade própria e fazemos coisas tolas como esta. Somos castigados. Os outros colegas ameaçam-nos. 

Pusemo-nos em perigo e sabíamos disso. 

E também nos convencemos de que é cada vez mais a razão para irmos a este local de terapia, quanto mais cedo nos resolvermos. 

(Além disso, temos medo de encostar na autoestrada e temos de conduzir por zonas rurais para chegar a locais de terapia, pelo que não há muitos sítios onde parar).

Enviámos um e-mail ao terapeuta a dizer que íamos chegar atrasados e que tínhamos batido com a cabeça. 

Se não foi mencionado, batemos com a cabeça da forma habitual: inclinamo-nos e voltamos a levantar-nos sem saber que há um objeto por cima da nossa cabeça. Porreiro, não é? /sar.

Penso que estamos a ser redundantes, definitivamente hipócritas, ao dizer que queremos fazer melhor por nós próprios e ao mesmo tempo colocar-nos em situações como a que vivemos. 

É difícil ser simpático, quando também se acredita que provavelmente não teríamos feito diferente.

O stress do sistema é uma quantidade enorme de stress na nossa vida. O espaço mental quase nunca é calmo. Apesar de provavelmente encontrarmos razões para não gostarmos de silêncio, também. 

Guardamos demasiado para nós. 

Sobretudo desde as férias de inverno.

Tentar guardar para nós os nossos problemas a sete chaves.

E isso está a corroer-nos por dentro. A nossa situação com os nossos pais, uns com os outros, com os colegas, com os prazos escolares. 

Tudo isto parece demasiado.

Parece que nos estamos a desgastar. 

É provável que recuperemos depois disto e que voltemos mais fortes. Mas está a ter um custo.

O que é bom é que na próxima sessão de terapia vamos discutir um plano de tratamento. 

Não sabemos como confiar uns nos outros no nosso sistema. Tão habituados a ser lobos solitários. E cansados de que nos digam o que fazer. 

Não creio que esta seja uma forma saudável de funcionar. Mas é o que temos atualmente.

Estamos demasiado fechados na nossa própria cabeça e preferimos calar-nos sobre as nossas lutas do que contar aos outros, porque acho que não aguentamos mais o caos.

Ainda temos muitas coisas para fazer: Formulário do Fundo de Emergência, material de Planeamento de Carreira, marcação de reuniões com o assistente social e o responsável pela Ajuda Financeira, e material escolar (trabalhos de casa e tarefas de leitura).

Acho que vamos conseguir ultrapassar isto. 

É difícil de gerir. 

Especialmente quando sentimos que estamos sozinhos nesta situação e nos isolamos por medo ou para ganhar algum controlo sobre a nossa situação. 

Pelo menos o terapeuta acreditou em nós sobre a nossa "suspeita de ter DID". E pudemos preencher o formulário do historial do cliente que ajudou na avaliação de hoje. 

Não sei se as coisas se vão tornar mais fáceis para nós. 

Mas esperemos que tenhamos uma melhor forma de lidar com isso. 

1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
O sistema de fissuras estelares
4 meses atrás

Começar a terapia é difícil. E apesar de as preocupações com a segurança da condução serem válidas, parece que está a fazer o seu melhor para cuidar de si. É preciso muito tempo para nos tornarmos mais saudáveis como sistema e é preciso muito tempo para comunicarmos como sistema. Estou confiante de que vão lá chegar; não vos incomodaria se não fosse importante para vós.

Saltar para o conteúdo