Trauma e identidade/expressão de género

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Não gosto do aspeto do nosso corpo.

É diferente de como era no passado, embora não pareça um corpo que a maioria de nós queira causar. Não é um corpo a que queiramos chamar casa. 

Quando éramos pequenos, ouvíamos muitas vezes "Pareces-te exatamente com a nossa mãe!", o que não é tanto um elogio como um facto. Este corpo parecia-se de facto com uma versão mais jovem da nossa mãe.

Agora, nesta altura da nossa vida, assemelhamo-nos um pouco ao nosso irmão. 

A mãe quando tínhamos o cabelo comprido. O irmão quando temos o cabelo mais curto. 

E estas são duas pessoas que nos causaram abusos e traumas significativos de duas formas diferentes.

E uma das razões pelas quais tememos o envelhecimento. Quem é que quereria envelhecer como a sua mãe abusiva? Esteticamente falando. 

Depois vem o fator identidade/expressão de género.

Pessoalmente, considero o corpo como não binário. Embora seja AFAB.

Os traumas tiraram-nos muitas reivindicações sobre o nosso próprio corpo, fizemos algum trabalho. Apesar de parecermos despretensiosos para sermos considerados insignificantes, para não atrairmos atenção negativa e, portanto, mais trauma para nós próprios. É a nossa principal prioridade. Mesmo que não pensemos nisso muitas vezes.

Depois, quando procuramos pessoas para aspirações de estilo, cabelo e vestuário, queremos parecer-nos com essas pessoas. Esses brilhos de pessoas que encontram a sua casa no seu corpo.

Este corpo ainda é um lugar de dor. E ainda nem sequer fizemos a terapia de processamento de traumas ou a "cura do corpo-trauma", que eu não sei bem o nome. Somática? Não sei.

O bom é que este corpo tem um aspeto bastante andrógino. É algo em que quase não nos esforçamos (sem maquilhagem, cuidados com a pele para além do duche e da loção, ou cuidados com o cabelo), o que tem sido uma coisa boa. "Se estamos a ser maltratados, mais vale ter um corpo que ainda tenha bom aspeto" /sar. 

Isto sem mencionar os diferentes níveis de disforia e dismorfia que temos em relação ao nosso corpo. Provavelmente, isso não será abordado em pormenor. Pelo menos para já.

Há já algum tempo que ando a pensar em fazer terapia hormonal. Parei quando começámos a universidade e regressei por volta das férias de inverno. 

Recentemente, não procurámos saber nada sobre o assunto. Principalmente porque não temos o nosso próprio seguro (embora tenhamos falado sobre o assunto com os nossos pais no passado, eles disseram que podíamos fazer o seguro deles). Só que com o nosso stress em relação ao pagamento das propinas.... é melhor encontrarmos outras opções financeiras. Mesmo que isso signifique obter o nosso próprio seguro), e não temos dinheiro suficiente que não exija outros sacrifícios financeiros (uma vez que temos usado em grande parte o nosso próprio dinheiro dos nossos empregos de salário mínimo para pagar coisas como detergente ou comida, porque não queremos voltar a casa dos nossos pais para os ir buscar). E não estamos a fazer terapia.

Estou bem com a forma como o nosso corpo é. Embora eu queira que ele seja mais um lar para mim. Não sei como me identifico pessoalmente. Nem acho que queira ser binária. Não necessariamente uma mulher ou um homem. 

Talvez o género não seja tão importante para a dor como os abusadores que nos causaram essa dor. Os inúmeros abusadores de diferentes géneros. Fazendo-nos temer certos géneros. Enquanto outros ainda nos causaram danos. 

Mas o "género" não abusou de nós. Foram as pessoas.

Embora a aparência de um determinado género possa ser desencadeante. Penso que é importante lembrarmo-nos de que não somos as pessoas que abusaram de nós e que podemos fazer o nosso melhor para não nos tornarmos nelas. Independentemente da forma como queiramos adornar o nosso corpo. 

2 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
O sistema de fissuras estelares
4 meses atrás

Dos alters no nosso sistema que se identificam com o aspeto do nosso corpo, só temos uma mão-cheia, e não se apresentam com muita frequência.

O nosso corpo também é AFAB, e a maioria dos nossos portadores de trauma, como eu, identificam-se como homens. No entanto, é uma expressão muito específica dessa identidade - a maior parte das coisas "tradicionalmente masculinas" são coisas que nos provocam muito. Acho que seria mais correto dizer que me identifico como um "filho", mas não necessariamente como um "homem". Se é que isso faz algum sentido.

Alguns dos nossos alters querem fazer roupas para toda a gente no sistema, para que nos possamos exprimir da forma como nos sentimos por dentro. É muito difícil e por vezes nauseabundo estar à frente neste corpo. Nunca nos sentimos "em casa", por isso criar uma bolsa de casa para existir com as nossas roupas é algo que esperamos que ajude. Para isso, inspirámo-nos/motivámo-nos muito em pessoas como The Pretty Shepherd e Bernadette Banner. É definitivamente útil para nós ter esse tipo de inspiração/confiança.

Já é suficientemente difícil lidar com a identidade e expressão de género sem traumas. O trauma torna tudo muito mais complicado. Eu só quero existir como eu, não consigo perceber exatamente como é que isso é e, para além disso, há bolsas de coisas que não posso explorar ou pensar por causa do trauma.

Espero que tu e o teu sistema consigam encontrar algumas coisas que se sintam totalmente tuas e seguras ao mesmo tempo.
-Lothair

Os fractais da noite
4 meses atrás

Há algumas perguntas/pensamentos que vocês tenham sobre o hrt? Sei que há MUITAS coisas relacionadas com ele. E tudo pode variar consoante o tipo de resultados que se pretende obter.

O nosso sistema foi criado por uma mulher e tomámos hrt durante cerca de 4 anos e só recentemente parámos devido a vários factores que não quero revelar a todos.

Sei que alguns de nós ficaram um pouco aborrecidos com o facto de termos começado antes da nossa auto-consciência como sistema, uma vez que não tinham realmente uma palavra a dizer. No entanto, também sei que nenhum de nós lamenta verdadeiramente o tempo que esteve a tomar testosterona.

No início das coisas, o nosso sistema nem sequer conhecia o vasto reino para além do binário (não nos era permitido interagir com os locais onde poderíamos ter aprendido sobre isso). Sei que ouvi dizer que alguns médicos especialistas em hormonas podem alterar as doses para obterem mudanças mais específicas que os seus pacientes pretendem ver, mas não sei muito bem como é que isso funciona.

Se eu tivesse de atribuir um género ao nosso sistema global, chegámos ao consenso de que "genderfluid" é o mais simples. Sei que muitos de nós nos identificamos fora do sistema binário, mas o termo "genderfluid" é muito bom porque dá uma explicação para a nossa aparência mutável e até para a nossa voz sem termos de dar ou explicar o nosso D.I.D.

Agora, pondo o hrt de lado por agora (se alguém tiver alguma pergunta sobre as nossas experiências com ele, teremos todo o gosto em responder!)
Não sei quais são as vossas estéticas e afins, mas o que tem ajudado o nosso sistema a sentir-se mais "em casa" no nosso corpo é o seguinte:
-Vestuário (nomeadamente camisas/blusas) para os diferentes alters
-Muitas opções de jóias. Tanto masculinas como femininas. Ser capaz de alternar ou até mesmo usar vários estilos de uma só vez tem sido divertido. E deixar que diferentes alters tenham algumas jóias que são especificamente "deles" ajuda.
-Tinta para o cabelo. (Eu sei que há muita gente que é contra as tintas em caixa e isso. Mas nós estivemos falidos como o raio, e às vezes é mesmo assim. Mas geralmente conseguíamos juntar $10/$15 de dois em dois meses para comprar uma caixa e mudar a cor. E, obviamente, dependendo do(s) trabalho(s), alergias, tipo de cabelo, etc., pode haver alguns limites/restrições de cores e tintas. Mas mesmo só mudar para outra cor "natural" pode mudar todo o seu visual! Eu sei que queremos mesmo pintar o cabelo à meias outra vez... descobrimos que gostamos mesmo de fazer metade e metade, porque nos dá outra escolha para votar, ou dá uma alternativa adicional... ainda estamos a tentar descobrir a melhor forma de tomar decisões, mas com coisas temporárias como as tintas, estamos definitivamente a tentar ser mais fluidos/descontraídos. Porque podemos sempre alterá-las mais tarde, se for necessário)
-Piercings (mais uma vez, dependendo do(s) trabalho(s) e não só, pode não ser viável. Mas mesmo os piercings falsos já nos ajudaram no passado).
-Tatuagens (mais uma vez, dependendo do trabalho, alergias, tolerância à dor, etc., pode não ser viável. Mas ver os diferentes gostos artísticos dos nossos alters, e tê-los capazes de ver algo que escolheram para uma tatuagem tem sido... muito bom, honestamente. O nosso sistema costumava ser muito anti-tatuagens... mas há uma que temos agora na parte da frente do nosso ombro direito. Foi uma venda relâmpago, como a maioria das nossas (porque é barata e fácil), e houve várias pessoas aqui que pensaram "vamos mesmo deixar a Bruxa do Mar Vermelho (uma fictícia nossa) escolher AQUELE desenho? Poucas pessoas tinham a certeza da mistura de assustador e giro que é a nossa caveira com um chapéu de bruxa. Mas sentir a alegria e o espanto absolutos que ela sente sempre que o vê faz-nos sorrir. Pode não ser de todos os nossos estilos, mas este corpo também é dela. E ainda bem que ela está feliz com ele)

E como... nada disto é perfeito. Sem dúvida que nos ajudou, mas cada um - para incluir todas as alterações em cada sistema - é diferente. Espero sinceramente que consigam encontrar algumas coisas que vos ajudem

Saltar para o conteúdo