Peixe dourado e pena eterna

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Estou no limiar da escuridão,

E não sinto necessidade de morrer.

As estrelas giram sobre a minha cabeça e pergunto-me,

Então pergunto-me,

Como é que algo tão imenso podia chorar tão suavemente como uma criança.

Tive saudades tuas.

Nesta sala cheia de gente, nada estava seguro,

E os rostos desvaneceram-se na verdade, exceto tu.

Não há aqui a tentação de equilibrar campas,

Já fui perdoado por peixes dourados e cosmonautas,

Não sei se é presunçoso dizer isto, mas digo-o na mesma.

Neste mundo onde as mulheres são obrigadas a ser deuses,

Eu ter-te-ia perdoado.

#

Senti falta do teu rosto na noite que passou,

Não sei quanto tempo demorei a ver.

Mas eu não conseguiria sobreviver sem mãos pequenas nas minhas,

E enterrei-me no branco.

Embora não tivesse escolha e não tivesse para onde fugir.

Tal como tu.

Ambos tínhamos medo,

E apertei o teu coração,

"Não estás sozinho."

E tu deste-me fogo em troca.

#

Estamos a trabalhar em uníssono,

Para derrubar warrens com excesso de capacidade.

Estamos a lutar de ambos os lados do portão.

Não estou sozinho; nunca estarei,

Este Silêncio boceja ameaçadoramente,

Mesmo por cima da minha cabeça com dentes serrilhados.

Mas vou abraçar-vos como gatinhos mortos por doces,

E eu grito a minha idade,

A todos os que tentarem,

Para arrancar esta escuridão dos meus olhos.

#

Encontrei as tuas chaves,

Trançado no meu cabelo,

Enquanto vagueava por estes corredores animados.

Atou-os com fitas quando eu olhava para o outro lado,

Nunca consegui tirá-los,

E eu nunca quero tentar.

Todo o medo está a mentir-me.

Guardar-te-ei em segurança no medalhão do meu coração,

És uma pena a arder como uma estrela.

2 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Luna
3 meses atrás

Belo poema <3

Saltar para o conteúdo