No silêncio, ouvi-te finalmente

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Como outros membros do nosso sistema já referiram, começámos recentemente a EMDR. Há muita coisa que se tem passado no meu subsistema e na minha cabeça. Mais, honestamente, do que sou capaz de transmitir.

Muito disto é novo para mim. Estou habituada a colocar o peso do mundo em cima de mim e não sei exatamente o que sinto quando não me sinto assim. É como passar a vida inteira numa sala cheia de máquinas a girar e a gritar. Mesmo depois de alguém a desligar, conseguimos ouvi-la a ecoar no nosso cérebro. Mas quando olhas à tua volta, tudo está parado. É... enervante. Mas não assustador. Mas o facto de não ser assustador faz com que pareça que devia ser. Mas não é. 

Sinto-me como se estivesse a preparar-me para um sinal que nunca virá. Devia sentir-me horrível, mas sinto-me calmo. Não me sinto pacíficaporque a calma é enervante. Mas eu não sentir enervado. Sinto-me estranho. É como a sensação de ter outra pessoa na cabeça, mas ninguém mais é na tua cabeça, por isso não é assustador. Não é mau de todo. Mas é suposto ser, porque sempre foi antes. 

Fui colocado numa sala segura, sem qualquer perigo em lado nenhum. Estou sempre à espera que a porta esteja trancada, porque ser colocado num lugar seguro normalmente significa que alguém está a mexer numa parte diferente do sistema e a tentar enganar-me para que eu relaxe ou não dê por isso. Mas a porta está destrancada. Olho pela janela para ver que horrores podem estar a acontecer noutras partes do nosso sistema. Mas tudo está bem.

O silêncio interior não é seguro. O silêncio interior é como os pássaros da floresta que cortam o seu canto quando um predador se aproxima. Mas não há nada de perigoso neste silêncio.

Isto é tão estranho. 

Não me agrada. Mas não há nada para não gostar. Por isso, gosto. No sentido em que nunca me senti tão calmo antes. Mas isso é sempre, sempre, SEMPRE uma armadilha, por isso continuo a verificar tudo e... é seguro. 

O mais inquietante de todo este silêncio é que posso concentrar-me nos meus próprios objectivos pessoais. Ou seja, os objectivos que me pertencem, em vez de ter de considerar o meu sistema como um todo. O nosso terapeuta está a ajudar-me a gerir o nosso sistema. Já não tenho de calcular causa e efeito e ordenar os alters, porque ela está mais bem equipada do que eu para nos ajudar a curar. Os nossos alters podem guardar o seu trauma por agora, porque tudo vai ser retirado e curado um de cada vez. Provavelmente não tão ordenado, mas ainda assim muito menos caótico do que sempre foi.

Assim, não tenho de acompanhar tudo o que cada alter está a fazer a cada segundo de cada dia para garantir que não nos magoamos ou magoamos os outros. Posso simplesmente ser eu próprio e concentrar-me na escrita e nas pessoas com quem estou a sair no sistema de parceria. 

Há uma história que ando a tentar escrever há muito tempo. Reescrevi-a vezes sem conta, não por ser perfeccionista - embora o seja - mas porque nunca consegui chegar perto do que estava a tentar dizer.

E ontem, abri uma memória. Algo tão antigo e tão abstrato em formas específicas que deve ter sido entre os anos 1-3. 

Nessa memória estava a origem do desejo de escrever esta história. 

É extremamente pessoal e não quero dar pormenores. Mas sinto que me lembrei porque é que eu - como alter - existo. 

Durante a maior parte da minha vida, senti-me como alguém que estava a viver um pesadelo ou uma história de terror. Alguém que transportava os meus alter-egos numa mochila enquanto fugia de seres que nos queriam comer. E, por vezes, a mochila era roubada e eu tinha de entrar à socapa na cozinha do inimigo para a roubar de volta. Por vezes, tinha de contar com o efeito de onda de actos de bondade, ou enfrentar as consequências da minha própria estupidez, ou ter um jogo de adivinhas no escuro sem saber para onde o caminho tinha ido.

Este é a verdadeira origem dos contos de fadas, na minha opinião. A vida é um pesadelo, e os contos de fadas são histórias de terror sobre a vida.

Quando estávamos a crescer, tínhamos um livro ilustrado sobre a mãe de um coelho de rabo de algodão que o ensinava a fugir de uma raposa. Atravessar a água, voltar ao seu trilho, esconder-se nas sarças. Lembro-me - lembro-me mesmo - de ler essa história vezes sem conta, como se fosse um manual. Entendi tudo como um simbolismo e guardei o conhecimento para uso futuro. Quando digo que as histórias me mantiveram vivo, não me refiro apenas à esperança. Refiro-me também a coisas como esta. Quando a nossa mãe e o nosso pai abusam sexualmente de nós e nos fazem luz de gás, temos de encontrar professores noutros sítios se quisermos sobreviver. Também fui ajudado por muitas outras pessoas. Mas as coisas mais consistentes e as coisas em que eu tinha mais confiança eram as histórias. 

Queria escrever histórias como esta para outras pessoas. Mas, como podem imaginar, tentar escrever uma história desta natureza enquanto fugia não correu tão bem como eu pretendia. Ainda bem que reescrevi e que senti toda a frustração por não conseguir atingir o meu objetivo, porque a história que está a surgir agora não se parece nada com nada do que tentei escrever antes. 

Também tenho de escrever a partir da minha própria experiência, o que significa não concentrando-me no efeito que a minha escrita pode ter. O efeito é imprevisível. E por muito que eu espere ser alguém que cria manuais claros para os rabos de algodão e para as pessoas que se encontram num pesadelo de conto de fadas, a experiência de cada um e a mente de cada um são tão únicas que não posso escolher para ser essa pessoa. A única coisa que posso escolher fazer é ser tão emocional e internamente honesto quanto possível. 

Mas sei o assunto/tema sobre o qual quero escrever. E dói-me. Mesmo assim, dói mais não trabalhar nisso. 

A única maneira de me lembrar de quem eu era quando era capaz de ser qualquer coisa é ser honesto sobre isso.

E ser honesto é difícil e doloroso; é essa a natureza da vida.

Mas se não der o meu melhor para ser honesto comigo próprio sobre quem realmente sou, sentir-me-ei como se não fosse nada. Já passei por isso. Quando estávamos a tentar evitar que os nossos agressores nos magoassem e dividissem ainda mais, passei por isso quase constantemente. E é pior. É muito, muito pior. Também nos impediu de escapar aos abusos tão rapidamente quanto poderíamos ter feito.

Recuso-me a voltar a ser essa pessoa.

-Lothair

 

1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Os fractais da noite
8 dias atrás

Eu gosto, meu querido
-Fleur

Saltar para o conteúdo