As emoções não prestam

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Odeio sentir emoções, mas odeio não as sentir. Sinto-me destroçada e como se tivesse perdido algo que nunca mais vou recuperar.

Ontem aconteceram coisas e eu tive um ataque de pânico. Odiei-o. Odiei o facto de não ter conseguido parar a resposta ao trauma. Odiei o facto de não conseguir controlar as minhas emoções. Odiei o facto de sentir a necessidade de controlar as minhas emoções. Odiava-me a mim própria. Odiava o facto de me odiar. Odiava as pessoas que treinaram essa reação em mim. Odiava o facto de estar sozinha. Odiava o facto de não querer estar sozinha. Odiava o facto de querer estar sozinha. 

Aos treze/quatorze anos, tinha aprendido a reprimir as minhas emoções, a não mostrar o que estava a sentir. Mesmo antes disso, aprendi a empurrar tudo para baixo até que não pudesse mais ser contido. Em criança, aprendi rapidamente a não esperar qualquer apoio emocional do meu pai. Ele parecia reservar isso apenas para o meu irmão. O meu irmão era desajeitado com as emoções e tinha muitas das suas próprias para lidar. A minha irmã mostrava cada vez mais o seu desagrado por querer estar ao pé de mim e por ser a minha irmã mais velha. 

A minha mãe era a única pessoa em quem eu confiava para obter o apoio emocional que conseguia, e isso, estou a aprender, era lamentavelmente pouco. Recebia apoio depois de as grandes emoções se terem acalmado. Quer se tratasse de raiva, frustração, mágoa ou tristeza, a mãe mandava-me para o meu quarto e depois vinha confortar-me e falar comigo depois de eu me ter acalmado um pouco. Raramente se sentava comigo quando as minhas emoções estavam à flor da pele. Dizia-me para me acalmar ou que não conseguia perceber o que eu estava a dizer porque estava a chorar. Sinceramente, não me lembro da maior parte do que ela me disse depois de eu me ter acalmado. Não me lembro do tipo de conselho que me deu, para além de "estão a gozar contigo porque tu reages" quando lhe contei que os meus "amigos" me intimidavam.

Por isso, empurrava tudo para baixo, até não poder mais. Aprendi a não mostrar as minhas reacções para que os rufias se aborrecessem e me deixassem em paz. Aprendi a isolar-me quando já não conseguia conter as minhas emoções, apesar de desejar a presença de alguém. Aprendi a não incomodar as pessoas com as minhas emoções. Aprendi que as minhas emoções eram um fardo. Mas ao tentar erradicar as emoções negativas, suprimi também todas as outras emoções. Tornei-me um robot, uma máquina sem qualquer sentimento humano. Algo quebrado e irreparável.

Há cerca de 10 anos, encontrei finalmente alguém que não via as minhas emoções como um fardo, como algo com que eu tinha de lidar sozinha. Ficar-lhe-ei sempre grata por ter ficado, por ter continuado a ficar. Há 5 ou 6 anos, conheci o meu marido, que também se senta ao meu lado enquanto eu me exaspero ou me debulho.

Durante esse tempo, muito pouco mudou na minha família. A minha irmã está a tentar ser mais uma irmã mais velha, mas isso não muda o passado, nem a nossa relação como adultos vai ser a mesma que teria sido quando éramos crianças. O meu pai continua a ser emocionalmente distante e a minha mãe continua a preferir não lidar com grandes emoções.

-talvez a Becky (Rose?)

[Ou perdi a linha de pensamento ou mudei porque não faço ideia para onde isto ia ou não me sinto realmente ligado a isto]

3 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Os fractais da noite
3 meses atrás

Não tenho nada a dizer, a não ser que me sinto bem e espero que hoje tenhas um dia decente
-Emmett Cullen

sharon.t-e-c
Administrador
3 meses atrás

Não há problema em ter emoções. Até é normal ter ataques de pânico. É-te permitido. É permitido sentir-se mal com tudo isto. Mas, apesar de tudo, tente lembrar-se que é uma boa pessoa, digna de ser amada - aposto que o seu marido concordaria. 🙂

Saltar para o conteúdo