O PlayPlace

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Encontrámo-nos no local preferido de cada criança no mundo, como fazíamos frequentemente

Sabias que eu/nós não voltaríamos a lembrar-nos de ti

Que nos iríamos "encontrar pela primeira vez"... outra vez

Achou que isto era engraçado, por isso alinhava no jogo

Perguntar-me-ia se eu/ nós gostaríamos de ser amigos

Eras um miúdo da minha/nossa idade

A palavra "amigo" soou como uma campainha na nossa mente

Havia outro "amigo"... algures

Esse amigo também esteve neste sítio pelo menos uma vez... certo?

"Oh, então lembras-te de mim!"

Disse, com um sorriso a espalhar-se pelo seu rosto

Era uma explicação simples

Só existia tu

Eras o nosso amigo do PlayPlace

Tinha de ser

Não há mais ninguém por perto para além dos nossos pais

"Porque é que não jogamos um jogo?"

Sugeriu, com um sorriso que nunca falhava

Eu/nós iluminámos

Jogar jogos é o que os amigos fazem

E o nosso amigo era sempre o melhor a conhecer bons jogos para jogar

Retribuí o teu sorriso e peguei na tua mão

Tentei sempre pegar na mão do meu amigo com a minha... ou, pelo menos, sempre pensei em fazê-lo

Alguma vez tinha segurado na mão do meu amigo enquanto estávamos aqui?

Antes que eu me pudesse lembrar ou perguntar, tuentrelaçaste os nossos dedos com os teus e puxaste-nos para junto de ti

"Vamos jogar à apanhada!"

Uma sensação de mal-estar instalou-se no meu estômago

A etiqueta era... assustadora

O nosso amigo sabia disso, no entanto

De certeza que... ias pegar naquele jogo assustador do edifício com cave e transformá-lo numa aventura divertida

O nosso amigo sempre soube pegar nas coisas más e transformá-las em algo precioso... nem que fosse só por estar ao nosso lado

Pensei que... o teu sorriso era diferente, amigo

"Mas não vai ser como uma etiqueta normal!"

O mal-estar não desaparece

Porque é que não está a desaparecer?

O nosso amigo fazia sempre alterações

Pegaram nas regras das pessoas assustadoras e transformaram-nas em algo que lhes era próprio

Porque é que o mal-estar persiste?

Porque é que o teu sorriso não me tranquiliza?

Mesmo assim, sorrio e aceno com a cabeça

Se não confio no meu amigo, que já deu provas de que é capaz, então que tipo de pessoa sou eu?

Eu seria um péssimo amigo...

Por isso, confio em ti

Coloquei as regras nas vossas mãos

Tal como colocaríamos as regras nas mãos do nosso amigo de confiança

Tal como sempre fizemos

Afinal, estávamos proibidos de criar as nossas próprias regras

"Então, vamos fazer turnos para sermos 'aquilo'... Eu começo, está bem?"

Um aceno

Tive de continuar a confiar

Está a explicar a diferença entre este jogo e o normal

"Então, começas a subir para o escorrega e eu conto até dez antes de ir atrás de ti"

"...faz diferença qual é o escorrega?" perguntei eu. Este sítio tinha dois escorregas, um mais alto do que o outro. Os caminhos possíveis que eu tinha variavam consoante a resposta

"Acho que não. Mas o mais alto seria mais divertido!"

"Acho que não

Estas palavras, com a expressão no teu rosto.

Quase pareces irritado por eu ter perguntado.

Quase...

Não

O nosso amigo dir-nos-ia se está irritado

E o nosso amigo não pensa que somos estúpidos

De facto, o nosso amigo é a única pessoa que nos disse que somos muito inteligentes

É óbvio que estás preocupado com a possibilidade de perderes os teus pensamentos enquanto me explicas isto

"Está bem, vou para o mais alto, então!" digo eu, imprimindo à minha voz o máximo de entusiasmo possível, apesar do persistente mal-estar que sinto nas entranhas

Sorri para mim e aperta a minha mão, trazendo-a para junto de si com as duas mãos

"Por isso, se conseguires descer o escorrega antes de eu te 'marcar', ganhas e decides o que fazemos a seguir!"

Acenei com a cabeça, pensando brevemente no que poderíamos escolher neste caso

Talvez pedíssemos para brincar à "Princesa na Torre"

Este era o melhor sítio para jogar esse jogo. Adorava dançar e brincar nas alturas... o que eu considerava a minha torre

Mas talvez não

Às vezes, fingir ser a princesa do meu amigo fazia com que o rei da casa ficasse zangado connosco... e esse rei não parava de olhar para nós os dois, a ver-nos brincar

Se ele descobrisse que eu tinha feito aquela torre alta só para mim... ficaria furioso

Afinal, estávamos proibidos de fazer coisas "nossas

E a palavra do Rei é lei

Mas isso não é importante neste momento

O Rei está a deixar-me brincar com o meu amigo

E, pelo menos, lembro-me que, normalmente, ele não nos deixa fazer muito disso

Portanto, este é um tempo precioso

Tempo que pode ser terminado em qualquer altura que ele queira

Deixo sair um pouco da minha tensão, pois creio ter encontrado a fonte do meu persistente mal-estar

Só tenho medo de te deixar outra vez

Porque és meu amigo

"E se eu te marcar antes de chegares ao escorrega, então é óbvio que sou eu que decido o que vamos fazer a seguir! Isso faz sentido?"

Aceno com a cabeça, começando a ficar genuinamente entusiasmado com isto

Seja qual for o resultado, vai ser divertido

Se ganharmos, são as regras que nos permitem escolher o que vem a seguir

Se o nosso amigo ganhar, podemos fazer outra coisa divertida que eles decidam

O nosso amigo está a salvo e hoje vamos ter aventuras divertidas

"E independentemente de quem ganha, o perdedor não pode discutir com o que o vencedor decide fazer!"

Ignoramos o pico de ansiedade que as vossas palavras nos provocam

Concordamos, prometendo a nós próprios e a si que faremos tudo o que decidir caso ganhe

Só mais tarde é que nos apercebemos que nunca nos prometeu o mesmo

Não que tenhamos tido a oportunidade de escolher

Subimos à torre dos triângulos

Contar cada um

Recolher os nossos "peixes"

Como é que estava mesmo atrás de nós?

Pensei que nos estava a dar um avanço...

Depois apercebo-me que o ouvi contar vagamente

Não em singulares, para um total de dez contagens

Não

Contou de dois em dois

2

4

6

8

10

Deu-nos menos de cinco segundos... porque acho que nem sequer fez uma pausa entre estas contagens

A inquietação voltou a aumentar, perguntando se este era um jogo que nos ia dar uma oportunidade de ganhar

"Tag!"

Agarrou o meu tornozelo, tirando-me a perna debaixo dos pés, enquanto eu continuava a rastejar em direção ao que agora percebia ser uma vitória inatingível

Caí de barriga para baixo e olhei para ti

Tinha uma expressão presunçosa, cheia de veneno e possessividade

"Ganhei!"

Quase cantaste isto, com o teu verdadeiro eu a infiltrar-se na tua voz agora

De repente, vieram-me à memória mais recordações nossas

Agora que havia perigo, as peças estavam a encaixar-se

O nosso amigo não era tu

A nossa amiga já tinha ido a estes PlayPlaces connosco... mas vocês também

Tu... eras também aquele que sabia do edifício com a cave

Mas não era o amigo que nos levava nas suas aventuras

Eras tu que escrevias regras para nós que te beneficiavam a ti próprio

Levaste-me para o lugar que eu considerava ser a minha torre

Sabias que este lugar era o MEU lugar?

Ou decidiste que a minha torre era o local que melhor se adequava ao que tinhas escolhido para acontecer a seguir

"Acena-lhes lá em baixo"

Acenei, tal como me instruiu, e o Rei acenou de volta

Ele não nos estava a deixar passar um tempo precioso com o nosso amigo

Ele não tinha de se preocupar com o facto de este nos dar regras que iam contra os seus decretos

Ele estava apenas a observar

Ao ver-nos passar por um ciclo de confiança em alguém que ele sabia que não confiaríamos se nos lembrássemos

Observar como funcionava a nossa amnésia

Para que ele pudesse utilizar isso para si próprio

Tu fizeste o teu caminho connosco... comigo

"O teu cavaleiro vai ficar muito desiludido por saber que passas tanto tempo comigo"

Não devia ter reagido

Mas eu fiz

E reparou

E utilizou isso

Contra mim

E eventualmente, também contra o meu cavaleiro

Enquanto eu reajustava as minhas roupas e descia o escorrega atrás de ti, tu estavas a informar o Rei, bem como os outros

Dar-lhes cópias das chaves que tinha acabado de cortar e arrancar de mim

Mas guardou os originais

Ficou com eles nessa altura e nunca mais os devolveu

Só que coleccionou mais

Mas os teus ciúmes do nosso amigo irritaram-te

Todas as regras que escreveria para nós poderiam ser reescritas por eles

Procuraste essa chave, para nos poderes ter só para ti

Pensou que nós reagiríamos se tentasse fazer-nos ciúmes

Mas nós só estávamos preocupados com o nosso amigo

Mas deve ter conseguido alguma reação que queria com o que estava a fazer com eles

Seja qual for esse lado das coisas, não sei mesmo

Só sei o que estava presente e o que me disse

Que era o facto de quereres magoar-me a mim e ao meu amigo

Continuei a dividir-me... formando alters que se adequavam aos teus desejos

Até que chegaste ao ponto em que decidiste que querias ver se tinhas VERDADEIRAMENTE todas as minhas/nossas chaves

"Mata-te"

Algo dentro de nós parou-nos

Uma porta para a qual, de alguma forma, não tinha a chave

Tentámos, uma e outra vez, obedecer à sua ordem... mas algo nos bloqueava no último momento

"Mata-te, senão eu [ERROR_404_DATASHARE_FORBIDDEN]"

Tentámos e chegámos ao mesmo bloqueio de última hora, repetidamente

Alguns alters AINDA têm a compulsão de cumprir essa tarefa incompleta que lhes deste, por causa do que nos disseste que farias se não o fizéssemos

Até tentou "ajudar-nos" a realizar esta tarefa

"O Rose Red suicidou-se pelas suas próprias mãos"

Foi isto que disseste ao nosso amigo, ao nosso cavaleiro... à nossa Branca de Neve.

Disse-lhes isso, embora fosse uma mentira em dois sentidos.

Primeiro, não conseguimos cumprir esta tarefa

Segundo... mesmo que tivéssemos, a ideia não era nossa

Tínhamos motivação para o fazer, não há mentira nenhuma. Tu e o Rei deram-nos MUITO disso... e isto sem falar nos outros abusadores que tivemos nessa altura

Mas nenhum de nós se lembra de uma altura em que tenha tentado acabar com tudo nesse período da nossa vida que não tenha sido instigado por si

Estamos APENAS a começar a convencer os alters mais afectados por este comando de que já não estão por perto

Que as vossas ameaças já não têm qualquer influência

Que agora temos algumas chaves nossas

Posso dizer que ainda podes causar muitos danos com as chaves que possuis até hoje, e é por isso que ainda és Perigoso

Mas já não têm a capacidade de nos transformar nas vossas marionetas

Atualmente, existem barreiras à volta das nossas partes mais profundas que requerem chaves que não temos

Que nunca terás

Nunca mais quero voltar a visitar o PlayPlace contigo

Não quero voltar a confundir-te com um amigo

E espero nunca mais ter a oportunidade de ver qualquer uma destas situações acontecer

-=-=-=-=-=-

Escrito por: Vários Alters, principalmente os da iridescência do black sludge

1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
O sistema de fissuras estelares
4 meses atrás

Muito exato.... Amo-vos a todos.
-Lothair

Saltar para o conteúdo