Sempre em dezembro

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Há uns dias, teria dado tudo para sair da frente. E tentei mudar outros para a frente com um sucesso mínimo. Parecia uma luta constante para os manter na frente, e a exaustão de o fazer não estava a ajudar. Estava cansada, rabugenta, com dores e fora de mim. Sentia-me vazia e irritável, ao ponto de ser esmagadora. Queria fugir a esse vazio. Sentia-me como se estivesse a sufocar o resto do sistema e a arrastá-lo para o meu nível. Parecia que tudo era inevitável e que eu tinha alterado irreversivelmente o funcionamento do nosso sistema. 

Ainda não estou muito contente com o facto de estar à frente neste momento. Quero mesmo uma pausa, mas agora sei que preciso de estar na frente para processar as coisas. Para me tornar mais estável, preciso de deixar que os pedaços aleatórios que se perseguem se transformem em pensamentos reais que possam depois ser escritos em algo que faça sentido. Está a ficar mais calmo: o vazio não está a gritar. 

Recentemente, a mãe e nós estivemos a conversar um pouco mais e ela mencionou que ela e o pai não sabiam que a nossa irmã e nós passámos por todas as situações de bullying e outras dificuldades na escola primária e secundária. Foi no último ano que qualquer um de nós começou realmente a falar sobre aquilo com que lidámos. E embora eu acredite nela, de certa forma, isso só torna a negligência deles ainda mais evidente. Quando ela pergunta porque é que nunca dissemos nada, tenho dificuldade em responder. Ainda estou a tentar descobrir como expressar tudo sem romper completamente a barragem e esvaziar o reservatório de uma só vez. Deixámos de lhe dizer quando ela não nos apoiou, quando não nos ouviu, quando nos culpou por isso. Não percebo como é que ela achava que estava tudo bem quando estávamos a ir abaixo a cada poucas semanas e já não conseguíamos suprimir a nossa dor. Para mim, havia muitos sinais de que algo estava errado e que precisávamos de ajuda. Para ela, era suposto tentarmos primeiro. Já tentámos isso e fomos rejeitados. Preocupa-me que, quando começarmos, não consigamos parar até a mãe saber até que ponto ela e o pai nos magoaram. E, embora em teoria isso possa não ser mau, sei que estamos a ser travados por muitas coisas e, por isso, não dizemos nada para responder às perguntas dela.

Fomos ensinados que uma criança é obrigada a amar os seus pais e que, por esse amor, é obrigada a obedecer e respeitar os seus pais e a não os sobrecarregar ou prejudicar. Admitir totalmente o papel que a mãe e o pai desempenharam no nosso trauma iria certamente magoá-los. Duvido muito que alguém goste de ser confrontado com as suas falhas. Para além disso, sei que a nossa relação com eles não poderá continuar a ser a que é. Muitos de nós têm medo de trazer este assunto à baila. Muitos de nós têm medo que, ao falarmos disto, eles se afastem ainda mais de nós, em vez de repararem os danos e nos aproximarem. E por mais desconfortáveis que estejamos com a situação atual, continuamos a agarrar-nos desesperadamente a ela. O nosso medo de que eles nos rejeitem completamente está a impedir-nos de dizer o que muito provavelmente precisa de ser dito.

A mãe tem estado mais disposta a falar e mais aberta sobre as coisas que ela e o pai podiam ter feito melhor por nós, filhos, quando éramos mais novos. Nós temos tentado retribuir, contando mais sobre o que estamos a fazer e sendo mais honestos. Mas continuo a ter as minhas dúvidas. Parece que ainda estou à espera de ouvir coisas específicas que eles sabem que não foram boas, e não apenas um "não estivemos lá para ti". E talvez isso não seja razoável da minha parte. Se eles não sabem com o que estávamos a lidar, como podem saber que coisas específicas poderiam ter feito melhor. Mas como é que eu lhes explico que a nossa confiança neles está abalada e que muitas das coisas que eles assumem que nós sabemos (como o facto de nos amarem), nós honestamente não sabemos ou, pelo menos, temos dificuldade em saber? 

O nosso pai nunca foi muito direto sobre o que sentia. Por isso, temos de acreditar na palavra da nossa mãe de que o pai se arrepende de coisas que ele e a mãe perderam quando estávamos a crescer. Ele próprio não expressou nada sobre isso e, até agora, não conseguimos ver muita diferença na forma como age. Gostava de poder dizer que confio na palavra da mãe, mas sinto que não posso, não completamente.

Sei que algumas pessoas aqui têm esperança de que tenha havido uma altura, escondida nos anos de que não nos lembramos, em que o nosso pai se preocupou connosco e o expressou. Receio que seja mais uma ilusão do que a realidade que vamos descobrir, e aconselho-os a não se apoiarem demasiado nessa esperança. Penso que é mais provável que descubramos que ele agiu da mesma forma que em todas as outras ocasiões de que nos lembramos: no mínimo, não expressou o seu amor por nós, mas também, possivelmente, o mesmo sentimento de desilusão e desprezo que experimentámos à medida que fomos crescendo. E se descobrirmos que a esperança é justificada, o que é que acontece? Que explicação temos para o que mudou e porquê? Não quero que isto cause mais danos do que já causou. Já sentimos que nunca receberemos o seu amor e aprovação, independentemente do que façamos ou do quanto nos esforcemos. Não será ainda mais cruel saber que, a dada altura, tivemos o seu amor e que este nos foi arrancado? Há coisas que é melhor deixar em paz por enquanto. Sei que ainda não estamos preparados para enfrentar isso. 

-Saturno?

7 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
O sistema de fissuras estelares
1 mês atrás

<3 Espero que tudo seja descoberto ao ritmo e no momento certo para todos vós. A amnésia também é muito assustadora para nós. Detesto que as pessoas tenham de lidar com perturbações relacionadas com traumas em geral, e gostava que o mundo não fosse tão nojento e estúpido.

t-e-c
Administrador
Responder a  AyameKurenai
1 mês atrás

Não recomendamos que se procurem memórias. Elas virão quando chegar a altura. Em vez disso, concentre-se em como pode viver e funcionar melhor no presente. 🙂

t-e-c
Administrador
1 mês atrás

Lidar com os pais é difícil. Precisamos da nossa mãe na nossa vida, mas às vezes custa-nos a acreditar que ela não sabia o que nos estava a acontecer. Optámos por ter uma regra não escrita - há coisas que não discutimos com ela, para o bem dela e para o nosso.

Ela sabe que temos DID, mas continuamos a mascarar-nos à sua volta e não falamos sobre isso. Também não falamos de coisas relacionadas com traumas ou muito sobre a nossa infância em geral. Sim, isso significa que precisamos de outro escape para essas coisas - mas também criámos um site para isso. Há também terapia semanal, o que ajuda imenso, e recomendamo-la vivamente.

Não há problema em contar tudo aos teus pais. Não faz mal contar-lhes nada. Segue o teu próprio ritmo.

Jae-Sam
1 mês atrás

Isto é profundamente sentido e é corajosa por partilhar isto. Por vezes, os pais não se apercebem de que são responsáveis

Gambá
1 mês atrás

Oof... Eu poderia falar sobre o personagem de D&D que eu formei e por que este post é muito relacionável... mas acho que vou guardar isso para o TherapyTM
-Kyrenoc

Saltar para o conteúdo