Todos os alteres são importantes, até eu

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Quando começámos o processo de reinstalar o subsistema de Lothair como nosso anfitrião, lembro-me de a Diana estar apreensiva quanto aos alters que ele poderia trazer para a frente. Tenho de confessar que não levei as preocupações dela muito a sério. Pensava que tinha uma boa noção da quantidade de traumas que guardamos e não conseguia imaginar que algo novo viesse com desafios que não tivessem alguma base no que já experimentámos. 

Quando penso que aprendi o conceito de "todos os companheiros de cabeça são partes igualmente válidas de todo o nosso ser que precisam de ser levadas a sério", aparece algo que prova que sou mais arrogante em relação a eles do que pensava. Desculpa, Diana. 

Aparentemente, temos vários subsistemas que sofrem de paranoia. Falámos com a nossa terapeuta sobre isso, e ela disse, basicamente, "Sim, alguns dos vossos alters sofrem de paranoia, mas têm RAZÃO para serem paranóicos, por isso continua a ser apenas PTSD". Isso foi reconfortante. Mas continua a ser... mais perturbador para a vida do que eu esperava que fosse.

Também aprendi ontem que temos companheiros de cabeça que vêem a cura e a recuperação da memória como a mesma coisa. Por isso, eles puxam pelas memórias mais depressa do que nós somos capazes de as processar. Isto não é pura estupidez mal orientada. Eles são os mesmos alters que experimentam paranoia. E da forma como a vida deles era, não se lembrarem das vossas experiências anteriores com rapidez suficiente pode fazer-vos sofrer muito, muito. 

Consegui encontrar um alter que tem controlo de gatekeeper/fronting sobre estas partes MUITO traumatizadas. Ela pode expulsá-los da frente se for necessário. Ela tem problemas com a comunicação verbal, mas acho que entre ela e Lothair vai correr tudo bem. 

Agora só precisamos de nos concentrar em aterrar estes alters paranóicos e ajudá-los a viver no presente, em vez de no futuro ou no passado. 

O registo no diário, tal como sugerido pelo nosso terapeuta, tem feito maravilhas. Um alter em particular disse que, quando começa a pensar demais, é como se fosse apanhado num remoinho a tentar agarrar-se a qualquer coisa sólida que o possa impedir de ser arrastado. E quando o nosso terapeuta disse que, com o tempo, escrever os seus pensamentos dispersos poderia acalmar esse remoinho, ele ficou estupefacto. (Mesmo dadas as circunstâncias, foi um pouco engraçado ver alguém que nunca fecha o seu mundo interior ficar realmente chocado com o silêncio, para variar).

Para além disso, temos tentado passar mais tempo ao ar livre. Ontem, fomos fazer um piquenique com o sistema de parceiros e conversámos durante horas no parque. Foi ótimo. E todos nos sentimos melhor por isso. 

Mesmo nestas circunstâncias, parece que as nossas rotinas estão a voltar. Tínhamos rotinas antes da auto-consciência, e seguíamo-las religiosamente. Mas tudo isso era sustentado por nos batermos. O que está a acontecer agora é que parece que nos estamos a lembrar de tudo o que perdemos ao crescer. Somos pessoas muito diferentes da pessoa que deixámos que os nossos agressores nos convencessem a ser. Acho que isto é parte da razão pela qual tantos dos nossos alters desistiram de se apresentar. 

Mas muitos desses alters teimosos que se recusaram a desempenhar um papel em que não acreditavam são os mesmos que agora são tão paranóicos. Nunca pararam de ripostar, e por isso muitas coisas rebentaram-lhes na cara. Não se pode continuar a desafiar abertamente os abusadores dessa forma e esperar sair ileso. Eles não sabem como existir no presente sem lutar e não sabem como se curar. 

Sei que eu e o Lothair andamos há anos a tentar puxar estas pessoas para cima. Estávamos tão fartos de viver uma mentira e procurávamos a centelha perdida de nós próprios que sabia quem éramos. Mas as pessoas que encontrámos precisam da NOSSA ajuda, e tenho de confessar que não era isto que eu esperava. 

Preciso de me concentrar em descobrir quem sou. Preciso de me concentrar em viver no presente e ser tão honesta quanto possível em todos os aspectos da minha vida. Porque os alters que nos impediram de nos transformarmos em clones da nossa mãe NÃO estão em condições de voltar aos seus antigos papéis no nosso sistema. 

Talvez isto seja bom. 

Talvez eu tivesse o poder de me afastar dos meus abusadores desde o início, e tentar encontrar alters para o fazer por mim manteve-me estagnada em vez de salvar a minha vida. 

Não me sinto tão confiante como gostaria, mas acho que não faz mal. Estou tão habituada a viver propositadamente à margem da minha própria cabeça, tratando-me como uma função do nosso cérebro. A ideia de me deixar ser tão viva como tento encorajar os meus companheiros de cabeça a sê-lo... é excitante e assustadora ao mesmo tempo. Tenho medo que as coisas se desmoronem se eu deixar de orquestrar o fluxo e o refluxo das interacções alternativas. 

Talvez eu precise de pensar em todo o nosso sistema como a Dirk Gently's Hollistic Detetive Agency da BBC. Quanto mais se tenta controlá-los, mais confuso se torna o mundo interior. Toda a gente precisa de ser autorizada a descobrir-se a si própria, por si própria. E isso inclui-me a mim.

-Marionete

2 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Os fractais da noite
1 mês atrás

<3
-Break

Saltar para o conteúdo