Matei o nosso pai há duas noites...

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

Peço desculpa pelo título clickbait, mas apesar de ele ter morrido há dois anos esta semana, de certa forma, eu *matei-o* na segunda-feira à noite na terapia.

Descobrimos que um dos nossos alters infantis ainda estava a viver no quarto dos nossos pais, com o nosso pai a abusar dela, e era altura de acabar com isso. Então, eu adulto peguei numa caçadeira e dei-lhe um tiro.

Foi estranhamente satisfatório.

Agora, sei que não era real e que estava tudo na nossa cabeça, mas ainda me sinto estranha duas noites depois.

Embora seja um protetor do nosso sistema, sou também um pacifista dedicado. Todos nós somos. Isso não significa que nos viramos e nunca ripostamos; apenas optamos por não usar a violência como método de luta. Há outras formas. Mas não, a minha primeira reação ao "ver" a situação na segunda-feira à noite foi ir direto para uma caçadeira, para acabar com aquilo de uma vez por todas. E, naquele momento, senti-me BEM.

Isso incomoda-me de certa forma.

Quando éramos adolescentes, quase decidimos rebentar com ele com uma caçadeira a sério. O nosso amigo Scott falou connosco na Internet (bem, na BBS) e saiu do parapeito uma noite - acho que ele não sabia o quão perto estávamos de nos passar. Mas apercebemo-nos de que acabar com as coisas daquela maneira, através da raiva, através da Fúria, era deixar que os modos do nosso pai ganhassem. Era ele que tinha um temperamento explosivo. Era essa a sua maneira de ser. Ao estarmos perto de acabar com a sua vida, estávamos a arriscar tornar-nos nele. Um destino pior que a morte, isso.

(Não deixámos que o sacana nos transformasse nele, pelo que estou eternamente grato. Ele morreu de causas naturais décadas depois, afastado da família. Não fomos ao funeral).

Mas, de certa forma, uma parte de mim sente que ele ganhou um bocadinho na segunda-feira à noite, quando eu escolhi rebentar com ele mentalmente. Continuo a escolher a ideia da violência, se não a prática efectiva da mesma.

Isso faz de mim uma pessoa má?

Quer dizer, este foi um homem que abusou de nós inúmeras vezes ao longo de mais de uma década - o nosso principal abusador, se não for, infelizmente, o único. Sem ele, talvez nunca tivéssemos desenvolvido DID. Mentiria se dissesse que nunca tinha tido fantasias de vingança antes - mas eram sempre devaneios melancólicos que rapidamente se dissipavam. Desta vez, o meu terapeuta deu-nos a possibilidade de reescrever a situação da forma que quiséssemos. Eu podia ter escolhido qualquer coisa... os extraterrestres podiam ter aterrado no quintal e raptá-lo, levando-o para sempre... mas não, dei-lhe um tiro à queima-roupa enquanto ele estava nu. Suspiro.

Estou a pensar demais nisto. Eu sei que estou. É que parece errado porque parecia tão CERTO.

7 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
O sistema de fissuras estelares
1 mês atrás

Posso relacionar-me com o facto de ter medo de ter pensamentos violentos, por não me querer transformar num pai. Mas também de os pensamentos serem satisfatórios.... É definitivamente assustador. Penso que é uma coisa normal de PTSD, e a maior parte de nós, pessoas traumatizadas, não chega a matar ninguém. Espero que te sintas melhor em breve.

Os fractais da noite
1 mês atrás

Oof... abraços virtuais para quem quiser /p

Gambá
1 mês atrás

Não sei como tudo funciona, mas é possível que tenha parecido tão "certo" porque vocês se permitiram expressar uma combinação de ação e emoção que tinha sido anteriormente reprimida? Por exemplo, quem quer que estivesse agarrado a esses sentimentos e desejos para essa ação, conseguiu "vê-la concluída" e depois deixá-la ir?
-Kyrenoc

Gambá
Responder a  saoirse.t-e-c
1 mês atrás

Não há problema!

sharon.t-e-c
Administrador
1 mês atrás

Sei que pensas que és uma pessoa má, mas não és nada disso. Preocupas-te e sustentas-nos a todos. Sei que nem sempre estamos de acordo, mas tu NÃO és o nosso pai e NUNCA serás o nosso pai. Não faz mal estar zangado - é uma emoção neutra, o que conta é o que se faz com ela... e tu não magoaste ninguém.

Saltar para o conteúdo