Este post é difícil para nós publicarmos

Os blogues podem incluir conteúdos sensíveis ou desencadeadores. Aconselha-se a discrição do leitor.

O título é muito preciso, uma vez que o nosso sistema tem dificuldade em confiar que as nossas memórias são factuais e não uma fantasia escapista que inventámos na nossa juventude e que aumentámos ao longo do tempo... mas o nosso sistema também acredita que esta deve ser publicado.

Porque não deve haver problema em estar errado.

Não deve haver problema em exprimir as memórias da forma como as sentimos, mesmo que estas acabem por ser uma máscara para as verdadeiras memórias

Desde que não pretendamos ser uma pessoa ou pessoas específicas (para as quais não temos memória suficiente), o que é que isso importa?

O nosso terapeuta ouviu as nossas histórias ao longo dos últimos meses e as coisas que dissemos raramente (ou nunca) contradisseram a história no seu todo... e a única vez que me lembro de ter acontecido algo deste género, o nosso terapeuta disse que 1) já tínhamos declarado que as opções anteriores eram apenas isso... opções/especulações sobre o que aconteceu... e 2) que o que dissemos não só esclareceu essas especulações, como também se relacionou com outras coisas que tínhamos dito.

O nosso terapeuta também Dito isto, com a idade que tínhamos e as memórias que partilhámos... só há duas possibilidades para o que essas memórias poderiam ser se NÃO fossem as nossas memórias "verdadeiras" factuais.

Estas opções são as seguintes:

-O material de origem de alguém (e se for este o caso, seria fantástico se conseguíssemos encontrar o que quer que seja!) Neste caso, as nossas memórias podem ser imprecisas do ponto de vista contextual, mas também... ainda haveria memórias verdadeiras escondidas entre o simbolismo e a estrutura. Assim, as memórias como um todo ainda valem a pena ser investigadas

-Alegoria. Esta confundiu-me um pouco, mas como a nossa terapeuta explicou, fez sentido (embora, com base nas nossas reacções à sua explicação e noutras coisas que discutimos, a nossa terapeuta não acredite que isto seja o caso).

-Outra sugestão improvisada que o nosso terapeuta teve, embora tenha admitido que era extremamente improvável, é que os nossos cuidadores passavam documentários muito estranhamente específicos sobre lugares específicos, repetidamente e quase em loop, quando ainda éramos um bebé deitado num cobertor

De qualquer forma... já que estamos a falar da exatidão das nossas memórias, algumas outras razões pelas quais o nosso sistema acredita ser vital partilhar este post são

-A verdade é muitas vezes mais estranha do que a ficção. Mesmo que sejamos imprecisos no contexto das nossas memórias, e que estas sejam apenas um disfarce para outras memórias que ainda não descobrimos... isso não significa que outra pessoa não possa ter passado por algo semelhante.

-Temos muita dificuldade em acreditar em nós próprios sem provas tangíveis (obrigado, trauma de gaslighting). Quase sempre acreditamos que estamos incorrectos ou errados quando não conhecemos toda a situação... porque como é que podemos saber que não estávamos errados se não nos lembramos? (Mais uma vez... obrigado trauma de gaslighting). Nós, como um todo, acreditamos que este post vai ajudar-nos a falar melhor entre nós (especialmente porque a nossa comunicação no sistema ainda é uma merda, e falar uns com os outros por escrito ainda é forma É muito mais fácil do que qualquer outro método... ao escrevermos isto, podemos contrariar-nos mutuamente, se necessário, e encontrar outras coisas que apoiem ou contrariem os nossos pontos de memória.

-=-=-=-=-=-

Agora... antes de entrar no post propriamente dito, quero fazer mais uma ressalva. O nosso sistema está desesperadamente esperando para estar errado sobre estas memórias.

Para nós, o facto de estas memórias serem reais seria muito mais difícil de gerir emocionalmente do que se fossem erradas.

Porque se eles estiverem errados, a nossa vida sempre foi uma merda. Se estiverem errados, sempre tivemos uma família muito nojenta e repugnante, o que não mudaria em nada o que sentimos em relação à unidade parental em relação ao que sentimos atualmente.

No entanto, se estas memórias são de alguma forma real... isso seria devastador. Significaria que costumávamos ter pessoas que se preocupavam connosco e que não eram completamente nojentas. Significa que a nossa repulsa e raiva em relação às unidades parentais cresceriam e transformar-se-iam numa raiva e fúria mais potentes do que penso que poderíamos preparar-nos.

Portanto... sim. Se alguém tiver outras ideias sobre como é que isto pode NÃO ser real, gostaríamos muito de as ouvir

-=-=-=-=-

Temos recordações de ter vivido em França até termos algures entre 1 e 2 anos de idade.

Temos memórias de uma "maman", um "papa", um "frère" e 1-2 irmãos que deveriam ser os nossos gémeos/triplos, mas que não chegaram a ser.

Até temos vagas recordações de uma "grandmere" e de um "grandpere"... pelo menos de um lado.

Temos muitas recordações de lugares que não são os que "tipicamente" se pensa quando se pensa em França.

A Torre Eiffel não aparece de forma muito proeminente, se é que aparece de todo. Em vez disso, as nossas memórias são as ruas de paralelepípedos e os edifícios coloridos (é engraçado como quando nos esforçamos por soletrar "cor", acrescentamos sempre um 'e'... também reparámos que isso acontece com outras palavras. temos tendência a soletrá-las à maneira "francesa"... sem sequer nos apercebermos. A sério... porquê? Podíamos facilmente ter escolhido uma derivação de "The Triforce System", como fizemos nas nossas outras redes sociais baseadas no sistema... mas não. Isso não aconteceu)

Falámos com o nosso terapeuta sobre a frequência de uma grande igreja. (Na verdade, dissemos "eglise" porque estávamos a falar com eles em vez de igreja). Falámos sobre o facto de ser provavelmente uma forma de catolicismo, pois havia uma bacia/recipiente de água benta como vimos noutras igrejas católicas... mas esta era uma concha gigante.

Rimo-nos disso como se fosse um disparate, e talvez como algo que nos desse uma razão para não acreditar na nossa história.

Só para descobrir que há uma catedral em determinado local que tem, de facto, algo desta natureza.

Ao procurarmos imagens dos arredores desta catedral, encontrámos calçada e edifícios que correspondiam às nossas memórias. Até começámos a chorar quando vimos este tipo particular de janela "varanda" numa zona residencial próxima, porque correspondia perfeitamente à memória que temos da "varanda" onde a nossa "maman" pendurou uma grinalda de pipocas.

Temos memórias da nossa "maman" que tinha muitos frascos de perfume bonitos.

Temos recordações do nosso "papá" a mexer em relógios.

Temos recordações do nosso "frère" a meter-se connosco... mas especificamente em francês. (Temos uma recordação muito clara dele a falar-nos em francês... e temos uma confirmação muito forte da nossa mãe-unidade de que as línguas que os nossos irmãos mais velhos conheciam não incluíam o francês... o que levanta a questão: se esta pessoa não era o nosso "frère", quem era???? Quem é que falava francês à nossa volta quando éramos tão novos???)

...A partir de alguns desses pensamentos...o nosso pequeninos são os que falam, lêem e escrevem francês mais fluentemente. Há definitivamente algumas imprecisões, mas parece estar dentro dos parâmetros de "esta é a nossa língua materna, mas só crescemos com ela nos primeiros anos da nossa vida". Portanto, são coisas bastante básicas. Não há muitas estruturas gramaticais correctas. Coisas mais simples como tipos de comida, membros da família, números... coisas típicas de crianças.

Temos recordações do "papá" a ler para nós. A sala de que nos lembramos não é NADA parecida com aquelas em que sabemos que a nossa unidade papá nos lia. (O que significa uma das seguintes hipóteses, certo? 1) por alguma razão, nessa sala, não aconteceu nada de assustador e conseguimos distinguir entre o "pai simpático" e o "pai assustador"... 2) estávamos com alguém que não era o "pai" (mas quem???), ou este é mesmo o nosso papá (o que... é o que mais se enquadra noutras memórias, e aquilo de que os nossos pequenos já falaram um pouco)

Também temos muitas recordações em que damos alguns passos e depois caímos. Mais uma vez, considerámos isto um disparate e uma razão para ignorar todas as nossas memórias. Só que o nosso terapeuta lembrou-nos que a idade em que nos lembramos é quando as crianças começam a aprender a andar... por isso, essas memórias fazem todo o sentido.

Lembramo-nos da "maman" a tocar harpa e piano. Agora... podemos pensar em vários sítios onde vimos certamente um piano durante a nossa vida. Mas quem e onde é que teríamos visto uma harpa???? Por exemplo... talvez nalguns filmes? Mas esta foi uma memória na primeira pessoa... (e eu lembro-me pessoalmente de tocar nas cordas e da mamã me deixar "tocar a harpa" com a sua ajuda)

Há definitivamente mais coisas de que nos lembramos também (especialmente sobre sermos levados de França e trazidos para a América), mas estamos a começar a ficar dissociados e temos de ir trabalhar em breve... por isso é provavelmente melhor esperar para aprofundar tudo isso agora...

Provavelmente iremos editar isto à medida que formos pensando mais sobre o assunto. Quanto mais não seja para compilar estes pensamentos e memórias num sítio onde o nosso sistema possa olhar para eles e criticá-los quanto à sua exatidão e legitimidade. Obviamente, a melhor maneira de descobrir tudo isto é fazer um teste de ADN. Mas isso terá de ser poupado, por isso, entretanto... tentar pensar noutras possibilidades pode ajudar-nos a não nos sentirmos completamente loucos.

11 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
saoirse.t-e-c
Administrador
1 mês atrás

Onde mais poderia ter ouvido/aprendido francês, especialmente com os seus filhos?

O sistema de fissuras estelares
1 mês atrás

Estamos muito orgulhosos de todos vós por terem trabalhado tanto na terapia e por terem chegado ao ponto de descobrir estas memórias. Aconteça o que acontecer, estaremos aqui para todos vós.

Gambá
1 mês atrás

Eu ia concordar com o pensamento da Alegoria, mas disseste que o teu terapeuta não acredita que isso seja verdade... isso significa que o teu terapeuta acredita que estas memórias são reais? Porque ele seria provavelmente o melhor para ver e perceber o que faz mais sentido em tudo o que estás a partilhar (e especialmente se houver informação adicional que tenhas estado e/ou pretendas manter apenas na terapia) /g

De qualquer forma, espero que consigam fazer um teste de ADN ou qualquer outra forma de perceber tudo isto em breve! /pos
(Sinceramente, nem me consigo imaginar a ter de resolver coisas destas... talvez tentar ter um pouco de auto-cuidado durante todo este processo, também? /g /npa)
-Ty

Saltar para o conteúdo